Guia completo do Desenvolvedor Web: saiba tudo sobre a profissão

O Desenvolvedor Web é um dos profissionais mais importantes para o mercado digital atualmente. Saiba tudo sobre a profissão e suas possibilidades aqui!(...)

Autor: Redação Impacta

A área de tecnologia é um mercado de trabalho crescente e com excelentes oportunidades. Para quem escolhe se desenvolver profissionalmente nesse ramo, é comum surgirem muitas dúvidas, principalmente, quando a especialização escolhida é web designer ou desenvolvedor web. Afinal, cada nova competência buscada pelos contratantes demanda a aquisição de novos conhecimentos.

Se você está pensando numa qualificação profissional como desenvolvedor web, então, este texto é para você. Nele, você descobrirá a diferença do web designer para o desenvolvedor, quais as especializações disponíveis nessa área, que competências são esperadas de um profissional com essa formação e, ainda, as possibilidades de atuação. Confira este guia completo e descubra os segredos para se destacar!

Qual a diferença entre web designer e desenvolvedor web?

Embora as empresas busquem tanto por web designers quanto por desenvolvedores web para desempenharem funções muito parecidas, essas são profissões distintas — as duas com grande crescimento de demandas no mercado. Leigos e iniciantes na área, em especial, chegam a confundir as duas profissões. Porém, enquanto o web designer está voltado para a interface da aplicação, é o desenvolvedor web que programa (muitas vezes, a partir do zero), para suportar o que foi idealizado.

Para o web designer construir uma boa carreira, é interessante que ele entenda de CSS e HTML básicos. Só que suas qualidades de trabalho estão voltadas para dois pontos:

  1. Planejamento: é preciso que o projeto atenda às demandas solicitadas pelo cliente, de maneira eficaz. Nesse processo, o web designer trabalha muito com a experiência do usuário, encontrando soluções para deixar a interação homem-máquina da forma mais intuitiva, agradável e atrativa possível;
  2. Layout: como o próprio nome já diz, as soluções desenvolvidas estão ligadas ao contato com o público final. Por isso, o PhotoshopIllustrator, DreamWeaver, GIMP e HTML5 terão maior importância, possibilitando a realização do que for idealizado.

Enfim, poderíamos dizer que o web designer é mais uma possibilidade de especialização do designer gráfico, adaptando seus conhecimentos para a dinâmica da web.

Já o desenvolvedor web se desdobra em diversas funções ligadas à programação. Ele também precisa se preocupar com a solicitação do cliente e experiência do usuário. Assuntos ligados ao design de interação também têm importância, mas sua atuação está direcionada a outras finalidades. Vale destacar que, se você escolher esse caminho, terá que desenvolver competências ligadas ao planejamento.

O que faz o Desenvolvedor Web?

O web developer (ou desenvolvedor web) não tem uma graduação específica, apesar de existirem hoje muitos cursos ligados à área, como sistemas de informaçãoanálise de sistemas, ciências e engenharia da computação. Entretanto, é importante que um web developer se mantenha atualizado. Não por acaso, essa é uma área na qual atualizações e novidades são comuns e constantes.

Se você já é ou quer se tornar um desenvolvedor web, será responsável por:

  1. Atender: é o primeiro passo e acompanhará todo o processo, ao realizar o atendimento ao cliente, entender o que ele deseja e também descobrir qual é a melhor solução;
  2. Planejar: projetando o melhor caminho para entregar o que foi pedido e atender realmente às necessidades. Pode ser que um cliente peça o desenvolvimento de um app, mas você perceba que uma reestruturação no site apresentará melhores resultados de acordo com o que for pedido;
  3. Construir: sim, é a hora de colocar a mão na massa e programar. Mesmo que você atue no front-end, back-end ou na infraestrutura como devops e dependa de outros especialistas junto de você para complementar, é hora de construir sua parte;
  4. Testar: antes mesmo de entregar o piloto para que o cliente faça suas avaliações, o web developer precisa testar tudo. Ficou realmente usual? Todas as funcionalidades estão acontecendo conforme o previsto? O que ficou pronto está de acordo com a proposta? Somente depois disso, o site, software ou aplicativo é apresentado para o cliente;
  5. Manter e atualizar: mesmo depois que você conclui um projeto, isso não significa que sua função está concluída. De acordo com o vínculo em relação ao trabalho, o desenvolvedor também será responsável por manter o site ou programa funcionando e realizar alterações quando necessário.

Basicamente, existem três tipos de desenvolvedor web — há também o conhecido como full-stack, mas falaremos sobre ele mais para frente, por não ser exatamente uma especialização dessa profissão.

Front-end

Esse nome significa que é a parte “da frente” da programação, ou seja, a interface que o web developer trabalha. O desenvolvedor que trabalha com front-end está interessado na experiência do usuário. Por isso, ele quer saber qual é o melhor caminho que o usuário pode seguir dentro do site e checa se o layout atende às necessidades.

Conhecimentos de SEO ajudam esse profissional, que é uma espécie de intermédio entre o web designer e o desenvolvedor em back-end (que veremos logo a seguir). Para quem está interessado em se especializar nessa área, é importante que tenha conhecimentos em lógica de programação, JavaScript, CSS, Bootstrap e HTML.

Algumas responsabilidades do desenvolvedor front-end são:

  • assegurar o funcionamento do client-side, ou lado cliente, de sites, blogs, e-commerces e aplicações web;
  • coletar feedbacks das experiências dos usuários;
  • identificar e atender às necessidades do usuário;
  • atuar em parceria com o web designer e o desenvolvedor back-end para assegurar que os usuários terão a melhor experiência com layout e funcionalidades das aplicações;
  • fazer manutenção e alterações para garantir a usabilidade.

Back-end

Caso você prefira se especializar em back-end, trabalhará na “parte de trás” da aplicação, ou seja, a programação do sistema que se comunica com o banco de dados. Nessa especialidade, o desenvolvedor trabalha traduzindo o que o front-end propõe para o servidor, por meio de códigos, ou o desenvolvimento de aplicações web. Quem trabalha com back-end precisa gostar muito de códigos e linguagens de programação, pois é o foco da função.

Um desenvolvedor do back-end precisa:

  • saber configurar e ler bancos de dados, analisar informações, erros, entre outros dados gerados pelo site ou aplicação;
  • conhecer as linguagens de programação, como Python, PHP, JavaScript e Ruby;
  • dominar sistemas operacionais que são específicos para servidores como o Linux;
  • usar técnicas para garantir a segurança da informação.

DevOps

O DevOps é uma espécie de especialização do back-end. Isso porque ele é o responsável pela infraestrutura. Nessa especialização, o web developer pega a aplicação desenvolvida e garante que ela funcione no ambiente de produção. Entretanto, o trabalho do DevOps não é tão simples assim, pois ele acompanha todo o processo. Ele estará presente no:

  • planejamento: ajuda na decisão da linguagem, infraestrutura, funções e metodologias a serem usadas;
  • desenvolvimento: usa as ferramentas e linguagens definidas;
  • automação: agiliza processos, detecta e previne problemas;
  • testes: para garantir o pleno funcionamento das aplicações;
  • monitoramento: coleta dados e otimiza processos, atendendo às demandas do cliente e de seus usuários.

 Guia completo do desenvolvedor web: saiba tudo sobre a profissao

Quais habilidades são necessárias?

Raramente você encontrará um desenvolvedor que domina todas as áreas de atuação. Afinal, é muito conhecimento e não adianta saber um pouco de cada coisa. Se você decidir seguir essa carreira, domine cada linguagem ou ferramenta que for estudar. Listamos a seguir alguns pontos importantes que são fundamentais para o desenvolvedor.

Hardware e Software

A principal ferramenta de trabalho do desenvolvedor é o computador, então, é importante que você entenda como ele funciona (tanto o sistema operacional quanto as peças que compõem o equipamento). Para isso:

  1. Conheça as aplicações convencionais dos sistemas operacionais e como suas rotinas são processadas;
  2. Com relação ao hardware, aprenda sobre a montagem e o funcionamento de computadores, mas não fique apenas na teoria. Monte, desmonte computadores e troque peças.

Lógica de Programação

A lógica de programação e algoritmos é como se você estivesse aprendendo as operações básicas da matemática. Mesmo que, depois, você escolha a linguagem de programação que vai aprender, com a lógica de programação e algoritmos, você consegue programar. Assim, ao conquistar a habilidade seguinte, você já terá um grande diferencial e precisará aprender apenas algumas regras específicas da linguagem.

Linguagens de programação

linguagem de programação é o conjunto de regras que serão usadas para fazer programas, ou softwares, que podem ser para o próprio computador, como games, ou mesmo um app para celular. Talvez você saiba que o computador é formado por sequências binárias enormes de 1 e 0. Com as linguagens de programação, o web developer pode usar uma comunicação mais simples, mais próxima da humana, baseada em regras que geram esse código.

Confira a seguir algumas linguagens e tecnologias de programação.

JavaScript

O JavaScript é diferente do Java. Responsável pelo desenvolvimento de scripts para websites, ela é uma linguagem “client-side”, ou seja, responsável principalmente pelo front-end. O dialeto de JavaScript é orientado a objetos (grupos de dados).

PHP

Assim como o JavaScript está para o front-end, o PHP está para o back-end. Ela é uma das linguagens mais populares para a programação do back-end de sites. Com o PHP, o desenvolvedor consegue gerar conteúdo dinâmico para a web. Ou seja, permite o gerenciamento e a atualização das informações mesmo depois do código pronto e não depende necessariamente do web developer para isso.

Diferente do JavaScript, que é executado no lado do cliente, o código de PHP Hypertext Processor é executado no lado do servidor. Uma das grandes vantagens dessa linguagem é que ela já tem o HTML mesclado no código. Outro ponto positivo é que é uma linguagem simples, porém, oferece recursos avançados para pessoas com maior aprofundamento em PHP.

Python

Python é uma linguagem abrangente, que serve para programar aplicações para celulares, computadores e também para a web. É uma linguagem de programação muito popular, talvez por ser simples, intuitiva e fácil de usar. Nessa linguagem, quase não há o uso de caracteres especiais e é possível aplicar recursos usando poucas linhas de comando.

Outras tecnologias

Além disso, existem ainda outras tecnologias necessárias para que um desenvolvedor web se destaque no mercado profissional. Veja quais são a seguir!

HTML

O HTML é uma linguagem de marcação de hipertextos. Ele é um componente básico para a criação de páginas na web. Com ele, é possível criar a estrutura de estilo do conteúdo na página e fazer conexões para outras páginas. Dessa forma, você informa onde começa e termina um parágrafo, se existem textos em negrito, itálico e até mesmo com a estrutura de tópicos.

CSS

CSS surgiu para proporcionar mais possibilidades de estilo nos sites, como a inserção de imagens, cores nos textos, fonte, espaçamento entre parágrafos, criação de tabelas e outras características do layout. Por isso, o CSS normalmente trabalha em conjunto com o HTML. Enquanto o HTML cria a estrutura, pode-se dizer que o CSS faz a decoração da estrutura de conteúdos construída no HTML.

O CSS tem um código mais limpo que o HTML, é mais fácil de ser atualizado e tem mais possibilidades de formatação. Outra característica fundamental do CSS que melhora não só o SEO, como também a experiência do usuário, é a sua rápida velocidade de carregamento das páginas.

desenvolvedor web tem espaço em vários setores

Onde o desenvolvedor pode atuar?

Agora que você já viu sobre as competências de um web developer, conheça as principais áreas que precisam desse profissional. Lembrando que, apesar de ser comum o trabalho remoto para essa área, as vagas oferecidas nessa modalidade ainda são bem tímidas se comparadas à oferta para o trabalho presencial.

Empresas privadas

Seja na otimização dos processos e da experiência do usuário, seja em campanhas, produção de conteúdo e atualizações constantes, as empresas precisam (e muito) de um time para desenvolvimento web. Afinal, esse é o cartão de visitas de qualquer negócio e, além disso, é o meio pelo qual prospects e clientes criam um relacionamento com a marca.

Entretanto, os recursos necessários para alocar uma equipe profissional e criar a estrutura adequada com máquinas e a compra das ferramentas necessárias nem sempre são compatíveis com o orçamento da empresa ou da demanda que realmente existe.

Por isso, a principal área destinada às empresas privadas que contrata desenvolvedores web são as agências, que atendem outras empresas, e as startups, que costumam apostar em soluções tecnológicas, além de necessitarem de atualizações e remodelagens do que for solicitado.

Bancos

Instituições financeiras têm muitos motivos para contratar desenvolvedores web, tanto que a contratação de profissionais de TI nos bancos já é maior que qualquer outra área. Imagine a segurança da informação necessária para transmitir autoridade e confiança aos usuários de internet banking, por exemplo. Nesse caso, além de garantir uma excelente experiência, é preciso evitar ações como:

  • cibercrime;
  • roubo de dados;
  • invasões.

Ainda existe outra demanda desse tipo de empresa que está ligado à abrangência do público. Nesse sentido, nem todos os usuários têm facilidade de navegação. Como resposta a esse problema, é preciso atualizar constantemente as plataformas desenvolvidas com a finalidade de garantir uma boa usabilidade.

Indústria

Exceto por marcas populares, as indústrias geralmente não têm o objetivo de criar uma presença digital para um público final. Em geral, esse tipo de negócio é do modelo B2B (Business to Business, que atende outras empresas).

Mesmo assim, a transformação digital também já chegou para esse segmento, e sites são usados para conseguir novos clientes, além de otimizar o relacionamento com o público de uma forma geral.

Outra necessidade que esse nicho de mercado tem é o desenvolvimento de plataformas para a troca de informações seguras entre seus colaboradores. No caso, os desenvolvedores também criam e fazem manutenção em intranets ou extranets (no caso de terem filiais).

Como se destacar na profissão?

Gostou de conhecer sobre o universo de um web developer e já está pensando em atuar nesse mercado? Então, agora é hora de conhecer algumas dicas para você se tornar um bom profissional!

Definir uma especialidade

Para isso, você precisa definir qual será o conjunto de conhecimentos com o qual você gostaria de atuar. Lembra quando falamos sobre front-end, back-end e DevOps? Então, é hora de começar escolhendo uma das áreas. Pesquise, leia, estude, pratique o que aprendeu e teste os resultados dos seus trabalhos. Você vai perceber que existem cursos e eventos da área de TI que são voltados para um nicho específico.

O importante, nesse caso, é que você realmente domine aquilo que está estudando. Aprenda de verdade, pois essa é uma área em que um diploma tem realmente um grande peso no currículo, mas que requer um conhecimento teórico muito aprofundado para executar a função.

Manter-se atualizado

Aproveite também fóruns e outras estratégias para seguir os assuntos com os quais você deseja atuar. A área de TI está em constante atualização e uma das maneiras mais eficazes de acompanhar as mudanças é fazer cursos. Outra forma é conferir as redes sociais mais voltadas para o desenvolvimento profissional, como o Medium e o LinkedIn.

Crie uma rotina de leitura e acompanhe canais de vídeo sobre o assunto. O importante é que você acompanhe as novidades sobre os assuntos que vai aprendendo para não perder o conhecimento ao longo da sua jornada profissional.

Utilizar ferramentas profissionais

O trabalho de um desenvolvedor web requer muitas ferramentas. Escolha aquelas que melhor se enquadrem na sua especialização e com as quais você realmente tem afinidade. Entretanto, é preciso levar em conta também a qualidade delas. Entre as ferramentas necessárias, estão:

  1. IDEs (ambiente de desenvolvimento integrado) e editores de texto: VS (Visual Studio), VS Code, Atom, Sublime, Code9, NetBeans;
  2. CSS Frameworks (pacotes de códigos padronizados e pré-escritos para front-end): Bootstrap, Materialize, Foundation;
  3. Frameworks de web app CRUD (servem para criar, ler, atualizar e excluir): Ruby on Rails, Asp.Net, Django, Laravel e Phalcon;
  4. Terminal de linha de comando: CMD e Powershell (para Windows), Bash (para Linux) e Terminal (para Mac);
  5. Versionador de código (para guardar o histórico): Git;
  6. Web deploy (para garantir que as funcionalidades na fase de implantação aconteçam na prática): Filezilla, Git, Jenkins.

Quais os desafios enfrentados pelo desenvolvedor web?

Se comparado a profissões tradicionais, como a advocacia, medicina e engenharia, podemos dizer que o desenvolvimento web é uma carreira muito nova, tanto que ainda nem há uma formação específica ou órgão que regula a função.

Veja agora alguns detalhes importantes de manter o foco ao ingressar nessa carreira. Afinal, o primeiro passo para vencer os desafios é conseguir identificá-los, não é mesmo?

Formação acadêmica

Como acabamos de falar, não existe uma formação específica para um desenvolvedor web. Mesmo assim, com disciplina e conhecimento, você consegue desenhar seu caminho de um jeito ainda mais proveitoso. Monte uma lista do que você deseja ou precisa aprender para atuar, selecione cursos relevantes e siga um ritmo de aprendizado.

De qualquer maneira, o curso superior ainda tem um peso na nossa cultura. Caso você decida fazer uma capacitação para complementar o currículo, escolha alguma na área de tecnologia da informação. Outro conhecimento relevante para essa área é o inglês e, por isso, é interessante incluir o aprendizado desse idioma na sua lista.

Autodidata

Nem sempre é possível fazer um curso e, em alguns casos, ele nem mesmo existe. Consegue imaginar quanta coisa nova surge a cada dia no universo dessa profissão? Antes que existam sequer tutoriais, pode ser que você já tenha que aprender. Então, saiba que qualquer pessoa pode se tornar um autodidata. Para isso, basta estudar bastante, se dedicar e ter disciplina e persistência.

Caso você decida aprender sozinho sobre algum assunto, monte um plano de estudos sobre o que precisará cobrir para entender o assunto e a ordem que usará para aprender.

Generalista ou especialista

Enfim, chegamos ao famoso full-stack (ou generalista). Existe uma discussão recorrente na área de desenvolvimento para web que é justamente sobre qual tipo de profissional tem mais aceitação no mercado e também em qual das modalidades você tem melhor desempenho.

Para deixar claro, no caso do web developer, ser especialista ou generalista são dois lados de uma mesma moeda. Isso porque, em um primeiro momento, você precisará se especializar, para poder atuar com qualidade como um generalista.

Viu como um desenvolvedor web é uma carreira em crescimento no mercado? Com a migração das empresas para o ambiente virtual, precisando garantir presença digital e experiências ricas para o usuário, certamente, essa demanda crescerá cada vez mais. Mesmo que você decida se especializar no front-end, back-end ou DevOps, é importante entender as estratégias como um todo.

Caso você tenha gostado da possibilidade de trabalhar como um generalista ou full-stack, vale lembrar que, mesmo assim, é importante se especializar em alguma linguagem e ter conhecimento de lógica de programação e algoritmos, JavaScript, HTML, CSS e PHP, além, é claro, de se manter sempre atualizado como desenvolvedor web.

Inclusive, se você quer receber os melhores conteúdos sobre programação, acompanhando tendências e inovações para ser um profissional reconhecido, assine a nossa newsletter. Desenvolvemos materiais valiosos para você se destacar no mercado!

2 Comentários

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!