Conheça o que é linguagem T-SQL!

A linguagem T-SQL é cada vez mais utilizada por desenvolvedores, possibilitando pesquisar e manipular dados e objetos em banco de dados SQL Server. Entenda!(...)

Autor: Redação Impacta

Para quem deseja desenvolver carreira na promissora área de TI, mais especificamente com programação, é fundamental entender a linguagem SQL (linguagem de consulta estruturada). Ele é um programa simples, que serve para o gerenciamento de um SGBD (banco de dados relacional). Já a linguagem T-SQL (Transact-SQL), é importante para estender as funções do SQL, oferecendo novos recursos.
Se você já é um programador ou quer se destacar na área de TI, conheça mais sobre o T-SQL. Além disso, neste texto, você descobrirá a relação entre o SQL e o T-SQL e os benefícios de usar essa linguagem. Veja, também, a importância do banco de dados relacional para o gerenciamento da sua base de dados. Boa leitura!

O que é T-SQL?

Principalmente para o universo corporativo, o gerenciamento de bancos de dados é extremamente importante. Tanto que um destaque na tecnologia da informação é o BI (business intelligence), uma especialização de TI que serve para otimizar as tomadas de decisão, além de prever e reduzir crises. Como um suporte para essas necessidades, existe o Transact-SQL.
O T-SQL possibilita pesquisar e manipular os dados e os objetos contidos em um banco de dados SQL, o Microsoft SQL Server. As transações (cada unidade de trabalho) suportam os elementos de linguagem de:

  • SQL Server de 2008 em diante;
  • Banco de dados SQL do Azure;
  • SQL Data Warehouse do Azure;
  • Parallel Data Warehouse.

Existem diferenças entre T-SQL e SQL?

O T-SQL é de propriedade da Microsoft, mas existe também o PL-SQL, que é usado no SQL da Oracle. O T-SQL é uma linguagem com a finalidade de reunir os comandos que serão empregados para diferentes funções, como a geração e o controle de todos os objetos, bem como a inserção, alteração, exclusão e recuperação de todos os dados presentes no banco.
Já o SQL é um sistema de banco de dados online, que serve para a criação de soluções que precisem do armazenamento, consulta e até mesmo análise de dados. Ele foi desenvolvido em 1970 pela IBM com o objetivo de armazenar dados e realizar análises, independentemente do volume de informações, em uma alta velocidade e com precisão.
Amplamente difundida, a linguagem foi padronizada em meados da década de 1980, surgindo dois padrões:

  1. ANSI (Instituto Nacional de Padrões): desenvolvido pela instituição sem finalidade lucrativa de mesmo nome, que tem por objetivo organizar os processos computacionais, otimizando a qualidade destes;
  2. ISO (Organização Internacional de Padronização): organização que atua em diversos campos técnicos com a função de atestar a qualidade.

Como usar a linguagem T-SQL?

A linguagem T-SQL surgiu para responder ao SQL Server 92 (mais popular atualmente). As ações que ele agrega podem ser divididas em 4 grupos.

1. DDL — definição de dados

Cria, altera e deleta a estrutura de objetos ou o próprio banco de dados. Suas principais funções são:

  • CREATE: cria um banco de dados (CREATE DB) ou uma tabela (CREATE TABLE);
  • ALTER: altera a estrutura da tabela, criando (ALTER TABLE table_name ADD column_name datatype), excluindo (ALTER TABLE table_name DROP COLUMN column_name) ou mudando uma coluna da tabela;
  • DROP: exclui dados do banco como o índice de uma tabela (ALTER TABLE table_name DROP INDEX index_name), a tabela (DROP TABLE table_name) ou o banco de dados (DROP DATABASE database_name).

2. DML — manipulação de dados

Já os DML são comandos que servem para modificar o conteúdo da tabela. Por exemplo:

  • SELECT: seleciona os dados de um banco de dados;
    • SELECT column1, column2, … FROM table_name
  • INSERT: acrescenta linhas de dados em uma tabela;
    • INSERT INTO table_name VALUES (value1, value2, value3, …)
  • UPDATE: atualiza os dados em uma tabela;
    • UPDATE table_name SET column1 = value1, column2 = value2, column3 = value3, … WHERE condition
  • DELETE: exclui os dados de uma tabela.
    • DELETE FROM table_name WHERE condition)

3. DCL — controle de dados

Essa categoria é responsável por alterar as permissões no banco de dados, conferindo ou retirando as licenças por usuários e o alcance das informações que cada um pode ver. Algumas ordens são:

  • GRANT: confere para o usuário o acesso ou privilégios para os objetos;
    • GRANT { SELECT | EXECUTE } ON [ sys.]system_object TO principal
  • DENY: limita a permissão de um usuário ou grupo em relação a algum objeto, ou recurso;
    • DENY { ALL [ PRIVILEGES ] }

    | <permission> [ ( column [ ,…n ] ) ] [ ,…n ]  
   [ ON [ <class> :: ] securable ]
   TO principal [ ,…n ]
   [ CASCADE] [ AS principal ]
[;]
 
<permission> ::=  
{ see the tables below }  
 
<class> ::=  
{ see the tables below }

  • REVOKE: serve para remover as permissões GRANT ou DENY.
    • REVOKE [ GRANT OPTION FOR ]  

     {
       [ ALL [ PRIVILEGES ] ]  
       |
               permission [ ( column [ ,…n ] ) ] [ ,…n ]  
     }
     [ ON [ class :: ] securable ]   
     { TO | FROM } principal [ ,…n ]   
     [ CASCADE] [ AS principal ]

4. DTL — transação de dados

Esse subconjunto gerencia as transações executadas no banco, como:

  • BEGIN TRANSACTION: sinaliza o começo de uma transação (BEGIN TRAN);
  • COMMIT: envia todos os dados da transação de forma permanente para o banco de dados (COMMIT);
  • ROOLBACK: desfaz as alterações realizadas pela transação. Dessa forma, o banco de dados retorna ao estado que se encontrava anteriormente (ROOLBACK).

Quais são as principais vantagens do SQL Server?

Para uma organização, existem muitos motivos para escolher o SQL Server como banco de dados. Ele tem um bom custo-benefício (principalmente para empresas de grande porte), conta com boa oferta de profissionais disponíveis no mercado (que têm as habilidades buscadas por empresas), oferece um suporte para recuperação de dados muito bom e está sempre se atualizando de forma automática.
Já o desenvolvedor que trabalha com o esse tipo de banco de dados relacional, ainda confere outras tantas vantagens. Dentre elas: mercado de trabalho com muitas ofertas, constantes atualizações — que oferecem aperfeiçoamentos e ainda corrigem bugs do sistema — excelente interface gráfica e a possibilidade de usar templates para schemas.

Por que usar o banco de dados relacional?

Existem vários tipos de banco de dados, com linguagens ou interações com os objetos diferentes. Então, por que escolher um banco de dados relacional? Dentre os vários benefícios estão:

  • integração das informações: organizadas de forma estruturada, o que permite processamentos complexos e rápidas respostas;
  • múltiplas tabelas: viabilizando a relação entre elas e a entrada de dados uma única vez;
  • controle de redundância: o que minimiza a possibilidade de entradas duplicadas de informações e erros decorrentes disso;
  • compartilhamento dos dados: possibilitando que vários usuários acessem diversas informações;
  • controle dos dados: gerenciando quais são os usuários que têm acesso às informações e o que eles podem fazer na base de dados, o que gera segurança para a informação;
  • consistência dos dados: apresentando precisão nas informações.

linguagem T-SQL permite que o programador automatize processos, integre dados e otimize as consultas realizadas em um banco de dados. Como você viu, essa padronização é extremamente vantajosa, tanto para a empresa quanto para o desenvolvedor. Com diversos comandos, você usa o Transact-SQL para oferecer alta performance na análise de dados e em tempo real.
Gostou do texto? Então, fale nos comentários abaixo quais os maiores desafios que você deseja superar para dominar a linguagem SQL!

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!