YAML: o que é e para que serve?

YAML é um formato de serialização de dados que vem caindo nas graças de desenvolvedores. Entenda como funciona!

Autor: Redação Impacta

Você já ouviu falar na sigla YAML? Saiba que o conhecimento deste formato está cada vez mais requisitado em empresas de tecnologia e programação.

O mercado atual já entende que a adoção de DevOps e de sistemas de virtualização são cada vez mais importantes, e como o YAML se aplica a isso, é claro que profissionais com esse conhecimento são muito procurados.

Além disso, a incorporação do YAML com tecnologias que já são utilizadas está ficando cada vez maior, como com a utilização de Docker, Ansible e até mesmo com a biblioteca PyAIML.

Neste post você vai saber tudo sobre o YAML. Você pode utilizar esse conhecimento para se aprofundar mais sobre o assunto e conseguir oportunidades de trabalho muito melhores. Acompanhe!

O que é YAML?

YAML significa na língua inglesa Ain’t Markup Language, já no português quer dizer o mesmo que “não é uma linguagem de marcação”. Essa nomenclatura foi criada justamente para diferenciar o YAML de uma linguagem de marcação, já que ele poderia ser considerado como uma, de forma errônea.

Anteriormente o termo significava Yet Another Markup Language, o qual faz mais sentido com a sigla YAML, mas não traz a diferenciação que os programadores buscavam e entendiam como correta.

A origem do termo é importante, mas vamos direto ao ponto: YAML é um formato de serialização de dados legível por humanos e inspirado em linguagens, como C, Python e Perl. Ele é utilizado com a finalidade de fazer o armazenamento das informações.

O grande diferencial e o que realmente distingue o YAML de outras linguagens de marcação é a sua sintaxe minimalista. Diversos recursos são semelhantes a outras tecnologias, porém, a facilidade de montar e entender a sua sintaxe faz com que ele ganhe atributos, como a facilidade de criação e a estrutura minimalista.

Existem diversas utilizações para o YAML, mas sua principal função no mundo da informática é servir como base para criar arquivos de configuração de alguns tipos de programas, como os que possuem infraestrutura IoC, por exemplo. 

Além disso, ele pode ser utilizado no desenvolvimento de DevOps, gerenciando contêineres no pipeline.

Uma utilização muito interessante do YAML mas que só apareceu recentemente, é sua a aplicação na criação de protocolos de automação. É possível criar sistemas mais autônomos, responsivos e independentes utilizando séries de comandos em arquivos YAML. 

Isso permite que o desenvolvedor possa ficar mais livre, já que sua atenção não é tão necessária nesse tipo de sistema.

Principais características

Uma das principais características do YAML é que esse formato tem uma fácil legibilidade, permitindo assim sua utilização por programadores mais experientes e até mesmo um pouco mais amadores.

Isso vem em conjunto com uma sintaxe descomplicada e de fácil aprendizagem, que permite que o formato seja configurado com mais agilidade.

Em relação a características mais técnicas, o YAML usa um grupo de caracteres, conhecidos como unicode. Ou seja, ele utiliza um intervalo contíguo de códigos de caracteres numéricos Unicode.

Esses caracteres são definidos pelo Consórcio Unicode e tem a sigla de UTF-8 ou ainda, UTF – 16, bastante conhecida pelos programadores.

O YAML conta ainda com case sensitive e tem um propósito centrado em dados. Em outros formados esse propósito seria centrado em documentos marcados, por exemplo. 

Dessa forma, essa é uma das principais diferenciações do YAML para outras linguagens de marcação, por exemplo. Além disso, é muito flexível, podendo ser utilizado em diversos tipos de linguagens da programação.

Isso é possível devido a sua versatilidade, bem como por conta de sua excelente documentação. Esses fatos são muito valorizados pelos programadores e pelas empresas de tecnologia que adoram o YAML..

Outra diferença que também conta como benefício é o seu suporte multi-documento, que faz com que você possa ter diversos documentos neste formato em apenas um único arquivo. Isso facilita muito a organização e armazenamento de arquivos e permite que a análise de dados seja ainda mais descomplicada. 

Aqui é interessante comentar que a separação dos documentos se dá pela simples inclusão de três traços, ficando assim: —.

O comentário integrado também é uma característica muito interessante do YAML. Ele é feito de maneira muito simples neste formato, bastando que o programador coloque o símbolo #, também conhecido como hash

Caso você tenha um pouco de conhecimento sobre Python, a questão dos comentários é ainda mais facilitada.

YAML vs. JSON vs. XML 

Em relação ao JSON, o YAML se destaca por ser muito mais interessante para utilização em aplicativos que tenham diversos tipos de dados com pipelines.

O YAML também sai ganhando por sua utilização ser muito mais viável quando outros membros de uma equipe de trabalho atuam com dados, tendo em vista que ele é bem mais legível que o JSON. 

Porém, o JSON é a melhor opção para o desenvolvimento web, já que se adequa melhor a formatos de serialização, bem como possui mais afinidade com a transmissão de dados em conexões que utilizam o HTML. Dessa forma, mesmo não sendo tão legível, o JSON ganha espaço em aplicações Web.

Já em relação ao XML, podemos mencionar que ele não é tão legível e descomplicado como o YAML. Além disso, a grande diferença entre eles é que o YAML não se propõe a ser uma linguagem de programação, enquanto o XML faz isso e ainda conta com mais recursos, como atributos de tag, por exemplo. 

Sendo assim, o XML é mais interessante quando os projetos são mais complexos e não precisam ser de fácil acesso e ter alta legibilidade. Esse tipo de projeto, no geral, prefere ter mais recursos, como o controle fino sobre validação, namespace, entre outros.

Sintaxe

A sintaxe do YAML não é nada complicada. Como falamos no começo deste post, ela é muito tranquila de se fazer e bem legível para melhor entendimento do programador. 

O YAM conta com a vantagem de possuir uma estrutura de dados bem simples, diferentemente de outras linguagens de marcação, como o JSON que precisam de mais códigos, aspas, entre outros. Veja um exemplo da sintaxe do YAML:

produto:

nome: celular

tamanho: 10cm

cor: preto

ano: 2021

Considerações finais

Como você pôde perceber, o YAML é muito indicado para diversos tipos de aplicações. Esse formato é fácil de usar, conta com uma estrutura simples, mas não tem tantos recursos quanto o XML e o JSON, por exemplo.

De qualquer forma, a sua configuração minimalista e de fácil entendimento chama a atenção das empresas, que estão cada vez mais interessadas em profissionais com conhecimento em YAML.

Gostou do conteúdo e quer saber mais sobre este e outros assuntos? Acesse a nossa Newsletter e fique por dentro!

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!