Quais são as principais áreas de atuação na carreira em Design?

A carreira em Design oferece diversas possibilidades de atuação, surgindo novas áreas com o avanço da tecnologia. Conheça as principais!

Autor: Redação Impacta

Você sabia que a carreira em Design é uma das que mais estão em alta no Brasil e em vários países ao redor do mundo? O bacana é que a área tem várias ramificações e, com isso, você pode apostar na profissão designer em formas incríveis de trabalho — como as mais voltadas para tecnologia, que têm cada vez mais demanda por profissionais especializados.
Só para se ter uma ideia, de acordo com uma pesquisa realizada para a revista Exame, a carreira de Design de Interface está entre as que vão ganhar mais destaque em 2019. E esse é apenas um exemplo das possibilidades que você pode escolher. Além disso, vale destacar que os salários também podem ser bem interessantes.
Ficou afim de apostar nessa carreira e alcançar sucesso profissional? Então, confira a seguir algumas áreas promissoras do Design e prepare-se!

1. Como é o mercado de Design?

As empresas já perceberam que o visual dos seus produtos e serviços é uma das coisas que mais chamam a atenção dos clientes. Com as novas tecnologias (aplicativos, smartphones, sites inteligentes etc.), isso ficou ainda mais em evidência. Se antes o profissional dessa área estava começando a ganhar notoriedade, hoje ele é essencial — e dá para entender os motivos.
Situações como criar o logo de uma empresa ou marca, planejar um novo produto e fazer uma embalagem são trabalhos que têm algo em comum: é o Design que está por trás de todos os processos desses produtos até que eles tenham a sua forma final.
Você pode encontrar um trabalho que seja mais geral ou mais voltado aos setores gráficos e industriais. Isso tudo depende do curso que você escolhe. Aliás, aqui vai outra informação importante: a graduação na área de Design tem cursos que variam entre 3 e 4 anos, além de pós-graduações e especializações com duração média de 2 anos. Esse tempo é suficiente para que você domine as principais habilidades necessárias para funções como criação e desenho.
Pense que, se escolher trabalhar na área gráfica, por exemplo, a criação de logotipos, desenvolvimento visual de publicações — revistas, jornais, livros etc. — e até anúncios e outdoors fará parte do seu trabalho. A escolha das letras, tamanho das colunas por página e a padronização de ilustrações e cores são detalhes importantes para esse segmento.
Agora, se você optar pela área digital — que é uma das mais cotadas e dinâmicas —, é preciso ter uma visão mais ampla de TI. Nesse contexto, entram em cena competências com dispositivos móveis (como smartphones e tablets), interface para sites, games e muitos outros. É um universo muito interessante no qual se pode atuar, viu!?
Entretanto, se a opção que mais chama a sua atenção é a industrial, saiba que essa é a área perfeita para criar objetos, unindo a utilidade e a estética. Além disso, nela você provavelmente realizará mais pesquisas, em busca de novas tecnologias e materiais para fabricação, o que contribui para a diminuição dos custos de produção — outra preocupação importante no segmento.
Por fim, para mostrar que o mercado realmente está vivendo dias de glória para quem escolhe o Design como profissão, você ainda poderá atuar como designer freelancer, uma ótima forma de fazer o seu próprio horário, ter clientes diferentes, construir uma carreira sólida e ter ainda mais flexibilidade e dinâmica na profissão. Parece bom, não é mesmo?

2. Quais são as áreas de atuação?

Como foi dito, há muitas possibilidades de atuação na carreira em Design. Por isso, é bom conhecer um pouco mais sobre as especialidades e o que você fará no caso de escolher uma delas. Confira:

2.1. Motion Design

De olho no Marketing Digital, as empresas estão correndo para se adaptar e atender as demandas de clientes exigentes e extremamente presentes no mundo virtual. É hora de apostar e investir nesse campo, muito mais do que antes, para ficar por dentro da concorrência e conquistar o consumidor. E quem ajuda nessa estratégia? O profissional de Motion Design!
Para explicar melhor a atuação dessa profissão, trouxemos uma curiosidade interessante: você chegou a assistir a MTV há alguns anos, quando ela era a rainha da televisão em criar vinhetas malucas e cheias de grafismos e arte? Pois é! Isso é o Motion Design. (Se você não sabe do que estamos falando, vale a pena conferir uma dessas vinhetas.)
Então, as identidades visuais e os créditos são, digamos, as primeiras referências para a criação. Só que, com o avanço da tecnologia e de vários softwares, o estilo do Motion Design foi mudando e ele se tornou superpopular, entrando com tudo nas produções audiovisuais atuais e modernas.
Essa área é a tradução perfeita de um universo imaginário que agora é ilustrado em vídeos. Hoje, as marcas podem se tornar queridinhas com a ajuda de um belo vídeo, com imagens em movimento, música, interatividade, cores e por aí vai. E o papel principal do profissional da área é fazer a perfeita combinação entre animações gráficas e textos.
Para a produção do material, você vai trabalhar lado a lado com o Diretor de Arte, participando de processos como conceito, identidade visual, animação e storytelling. O grande desafio dessa profissão é fazer com que as animações funcionem em todos os tipos de dispositivos — desafiador, não é mesmo?
E o salário? Segundo o site trampos.co, gira em torno de R$ 1.500 e R$ 2.500, mas pode chegar até R$ 6.500 mensais.

2.2. Design de Interface

Você já notou que a interação com o universo digital depende de muitos fatores, como o tipo de dispositivo utilizado e até quais softwares você tem para realizar tarefas? O Design de Interface atua justamente dentro desse mundo, no desenvolvimento de produtos que estão relacionados à tecnologia, sempre pensando no usuário, para que o uso seja eficiente e simples.
Apesar de o profissional estar muito ligado à criação de produtos online, ele também pode atuar com Design Industrial. Ou seja, o ponto principal é realmente possibilitar as interações humanas com o digital. Isso vale, inclusive, para o aperfeiçoamento de produtos que usamos há tempos, como carros, telefones e eletrodomésticos.
Indo para a prática, o Designer de Interfaces une as habilidades do Web Designer com a parceria do Arquiteto da Informação ou até mesmo do Designer de Experiência do Usuário, o chamado UX Designer. O objetivo principal do seu trabalho é garantir que o usuário realmente esteja no controle da interação, para que ele se sinta bem usando a ferramenta e, consequentemente, use mais.
Além do mais, é possível seguir o caminho do desenvolvimento de produtos, por exemplo. Há alguns anos, o desejo de muitas pessoas era ter um telefone portátil, enquanto hoje já temos até computadores portáteis.
Com isso, percebemos que os aparelhos mudaram muito e estão evoluindo cada vez mais, ganhando telas maiores, ficando mais leves e passando por diversas outras transformações, tanto externas quanto internas. E quem está por trás dessas concepções? Sim, o Design de Interface!
O salário para quem atua nesse segmento, segundo o trampos.co, vai de R$ 1.500 a R$ 3.000, mas pode chegar a R$ 5.000.

2.3. Web Design

O profissional que atua com Web Design tem como foco principal criar interfaces e desenvolver aplicações web, com o intuito de deixar tudo com um visual mais atrativo, que não seja confuso, que passe a mensagem pretendida e que, ao mesmo tempo, seja extremamente útil e fácil para o cliente entender e usar.
Uma coisa legal de pontuar é a seguinte: você já notou que os sites estão cada vez mais minimalistas e sem intervenções inconvenientes, que atrapalham o conteúdo principal? Pois então. Em grande parte, isso se deve à função do Web Designer, que trabalha constantemente para deixar o conteúdo interessante visualmente para quem acessa o conteúdo.
Agora, outro detalhe importante é que muita gente costuma pensar que quem cria os sites é o Web Designer, mas, na realidade, ele é responsável pelo desenvolvimento das peças que são relacionadas à internet. Por exemplo: e-mail marketing, banners, hotsites, newsletters, landing pages, entre outros. Sabe os famosos GIFs animados? Eles também fazem parte do portfólio de criação do Web Designer!

Se você tem interesse e quer entrar com tudo no segmento, aposte no curso de Web Design! Assim como os já citados, o salário também figura entre R$ 1.500 e R$ 3.000, podendo chegar a R$ 5.000 quando se tem mais experiência.

2.4. Design Gráfico

Enquanto o Web Designer atua fortemente no campo da criação para o ambiente web, o Designer Gráfico vai além, pois também cria peças que são impressas, como itens de papelaria, embalagens, outdoors, anúncios em geral e qualquer tipo de identidade visual de empresas ou marcas.
Além disso, as redes sociais são um dos campos em que esse profissional mais atua, sabia? Ele também é muito mais que um “desenhista”, uma vez que o trabalho do Designer Gráfico envolve também a identificação das cores que devem ser usadas na peça, o formato e a fonte que ficarão incríveis no projeto, e muito mais.
Existem outras áreas que também são interessantes de atuar, como animação, branding, design editorial, direção de arte etc. O mercado de trabalho é realmente bem abrangente para essa área e os salários são bem parecidos com os demais segmentos, girando em torno de R$ 1.500 a R$ 2.000 — podendo ser muito maiores, dependendo da agência em que se trabalha ou para quais clientes o profissional faz serviços.
A dica para esse profissional é apostar em configurações que dão suporte no dia a dia das criações. Um bom computador, por exemplo, fará toda a diferença no trabalho!

2.5 Design de Produto

Essa é uma carreira que parece meio óbvia, mas não é. O Designer de Produto é responsável por fazer uma série de criações, que envolvem projetos tecnológicos, ações, embalagens, brindes, concepções estéticas, identidades visuais, materiais promocionais, digitais e cenográficos, além de brindes, soluções e uma gama enorme de outras criações.
O profissional ainda faz uma extensa análise das necessidades e demandas do mercado, bem como da gestão, seleção de produtos, matérias primas e tecnologias mais atuais para usar e, além disso, verifica a viabilidade técnica do projeto. Sem contar nas propostas, na produção de orçamento, no desenvolvimento de produtos internos ou para outras empresas etc.
Quem trabalha com Design de Produto precisa ter em mente que a solução criada deve ter funcionalidade, ser inovadora, visualmente agradável, eficiente, intuitiva, prática e extremamente útil para satisfazer as demandas dos clientes. O melhor é que dá para aliar tudo isso à relevância do produto para o dia a dia das pessoas!
E tem mais, é claro! Ainda dentro dessa carreira em Design, o profissional pode ficar responsável pela criação de desenhos técnicos, desenhos 3D, ilustrações, mock-ups, croquis, pontos de venda ou amostras finais. Nesse contexto, é importante que ele possa contar com uma equipe que trabalha em conjunto para desenvolver todas essas ideias da melhor maneira possível.
Outra parte boa é o salário, que gira entre R$ 2.000 e R$ 6.000, um dos maiores para a área de Design.

2.6. Design de Interiores

O Design de Interiores é uma das carreiras em Design que é um pouco mais ligada à área de Arquitetura e decoração. Muitos estudantes optam por essa profissão por ser bem dinâmica, já que é normal sair do escritório e visitar os clientes várias vezes durante um projeto. E, digamos, você vê a concepção da ideia saindo do papel e criando formas em tamanho gigante!
O profissional de Design de Interiores vai lidar lado a lado com a arte, estética de interiores, mobiliário, tecidos, distribuição de peças e ambientes, revestimentos, aproveitamento do espaço e da luz, além do bem-estar de quem habita ou frequenta as edificações, sejam imóveis habitacionais ou comerciais.
Uma outra informação que você precisa saber é que dá para fazer um curso com nível de graduação se quiser atuar na área, assim como é possível ser formado em Arquitetura e se especializar em Design de Interiores. Nas duas opções, de qualquer forma, você estará em contato constante com o arquiteto do projeto. E, quanto mais fizer trabalhos em conjunto, melhor poderá ser o resultado!
Já quanto ao salário, também podemos destacar que é um dos maiores entre as carreiras em Design. Segundo a Catho, a média salarial aqui no Brasil é de R$ 2.140, podendo ser muito maior em grandes empresas. Mas, se você mesclar as profissões de Arquitetura e Design, por exemplo, esse valor pode triplicar.

2.7. Design de Moda

As passarelas chamam a sua atenção? Você se imagina atuando nos bastidores, criando peças que serão tendência para os próximos meses? Gosta de desenhar roupas, modelos e tudo o que tenha a ver com o universo da moda? Então, que tal apostar na carreira em Design da Moda?
Na graduação, você poderá desenvolver habilidades suficientes para exercer seu lado criativo, desenhando acessórios, roupas, figurinos, além de cuidar de assuntos mais estratégicos, como a gestão na indústria e comércio e dos negócios de uma marca — que pode ser sua!
Nessa carreira, você ainda irá fundo no domínio do estilismo, da modelagem e da produção. Além de ter experiências práticas ao longo das aulas, como operar máquinas de costura, você vai analisar composições de todo tipo de tecido, criar coleções inteiras, acompanhar produções de fotos, vídeos e filmagens em geral, montar desfiles completos e desenhar moldes — muitas coisas incríveis para a área.
É preciso lembrar que o mercado é sempre bem aberto para essa carreira em Design, uma vez que a área da Moda é um dos segmentos que mais crescem em todo o mundo, mesmo em épocas de crise, ou seja: caso siga essa profissão, sempre surgirão oportunidades para você.
Os salários também são atraentes, com uma faixa que vai de R$ 3.000 a R$ 5.000, segundo uma pesquisa feita pelo Banco Nacional de Empregos (BNE).

2.8. Game Design

Por fim, mas não menos importante, entra na nossa lista o Game Designer, uma das profissões que mais crescem desde os anos 1980, quando houve um verdadeiro boom de videogames! Para quem deseja investir e se tornar Designer de Game, o trabalho tem como base desenvolver o design de jogos, na sua concepção, criação e coordenação do jogo que está sendo criado.
Isso envolverá também as áreas de arte, programação, sonoplastia e muitos outros. Ou seja, a principal função e responsabilidade do Game Designer é cuidar e planejar a interface do jogo, lapidar a interatividade dele, tornar o enredo atraente e, ainda, pensar nas mecânicas que o jogo precisa ter para conquistar o jogador. Em resumo, é preciso tornar um jogo atrativo, divertido, interessante e que deixe o público engajado.
Para atuar nessa área, é preciso fazer um curso bem específico, o de Jogos Digitais, já que é necessário ter um grande repertório de habilidades e conhecimentos para conseguir desenvolver games estratégicos e com grande potencial de adesão e interesse pelos jogadores. O visual é uma das coisas mais importantes para os jogos.
A surpresa final fica por conta dos salários, conhecidos como os mais altos da carreira em Design. Segundo o Love Mondays, o valor médio para a profissão de Game Designer é de R$ 4.383, podendo ser muito maior, chegando a R$ 9.000. Vale a pena, não é mesmo!?

3. Como escolher a área de atuação ideal?

A melhor forma de escolher qual carreira em Design você quer seguir é analisando todas essas possibilidades e conversar com profissionais que atuam há algum tempo na profissão. Além disso, para entender como funciona o mercado em cada situação com detalhes, uma ótima estratégia é conhecer e entrar em contato com empresas experientes nos segmentos. Lembre-se de que quanto mais informações você tiver, melhor. Desse modo, a escolha tende a ser mais certa e segura.
Outra dica é saber onde você pretende fazer o curso. Veja se na sua cidade há faculdades com o curso que você deseja ou se é preciso mudar de cidade para começar a graduação ou especialização. Isso tudo precisa ser levado em conta, pois, apesar da carreira em Design ser considerada tradicional, nem todas as faculdades contam com cursos nesses moldes.
Não se esqueça também de considerar o valor dos salários. Como você notou, muitas áreas têm valores bem parecidos, enquanto outras, que exigem mais habilidades e competências, acabam pagando melhor. Entretanto, não escolha a carreira pensando unicamente nos lucros. Isso é importante, claro, mas a sua satisfação profissional deve ser priorizada.
Muitas vezes, a melhor forma de alcançar sucesso é conciliar trabalhos que pagam bem — mas que, ainda assim, você deve ter alguma afinidade com o que é feito —, com outras atividades que são prazerosas para a sua vida, até mesmo sendo vistas como um hobby. Dessa forma, as chances de se sentir mais satisfeito e entusiasmado para trabalhar todos os dias é maior.
No mais, não deixe de conversar com professores, amigos e familiares. Essas pessoas sempre são muito importantes para indicar detalhes que passam despercebidos por você, como aquela habilidade maravilhosa que você tem, mas considera apenas um passatempo. Será que não seria um bom investimento apostar em uma carreira relacionada a isso?
E, por último, veja se você tem tempo para se dedicar ao curso que pretende fazer. A carreira em Design é muito exigente e os profissionais que atuam nela precisam sempre se reinventar, trazer novidades e ser criativos. Você tem toda essa disposição para encarar os desafios da área? Se sim, pronto! O primeiro passo foi dado e agora é só escolher qual o segmento mais atrai você.
Agora que você tem uma lista completa com vários cursos na carreira em Design, é hora de refletir sobre qual é a melhor opção para você. Na dúvida, não hesite em ler novamente este material, enviar perguntas a uma faculdade que tenha esses cursos e se informar sobre questões específicas. Uma coisa é certa: essa área é realmente uma ótima forma de entrar no mercado de trabalho!

E então, gostou do nosso conteúdo? Se você ainda quer saber mais sobre o assunto, baixe o nosso Guia da Profissão Designer!

CTA-blog-guia-da-profissao-designer

Nele, você encontra muitas informações importantes sobre a carreira em design!

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!