Como é o mercado profissional para Cadistas?

Mesmo sem uma formação superior, quem trabalha com AutoCAD tem muitas opções e espaço nas empresas. Conheça mais sobre o mercado profissional para (...)

Autor: Redação Impacta

Não pode ler esse artigo agora? Ouça a matéria no Player abaixo:

Estive lendo um artigo no qual uma grande empresa de arquitetura e engenharia informava sobre a dificuldade em contratar cadistas. Mas você sabe o que é isso? O mercado profissional para cadistas é uma área que trabalha com AutoCAD, mesmo sem tem uma formação superior em engenharia ou arquitetura.
O cadista desenha plantas e desenhos técnicos solicitados pelos engenheiros ou arquitetos — muitas vezes, eles são bem elaborados ou se apresentam no formato sketch (rascunho).
Para ser um cadista, não é necessário nível superior, já que muitos engenheiros e arquitetos estão exercendo essa função apenas pela carência de profissionais no mercado. Entretanto, muito além do conhecimento do software, o especialista em AutoCAD deve saber ler e interpretar projetos corretamente.
A procura sempre alta por esses técnicos, mesmo em momentos de crise, explica-se pela imensa diversidade de áreas nas quais o cadista pode atuar. Isso porque praticamente qualquer fabricação humana necessita de um projeto computacional anterior para servir de guia à sua materialização.
Assim, escritórios de arquitetura, construtoras/incorporadoras, indústria moveleira (móveis), agências de publicidade, setor automotivo e até equipes de geógrafos (que lidam com topografia) precisam contar permanentemente com o trabalho visionário de um especialista em AutoCAD.
Quer saber mais sobre a carreira? Então, acompanhe nosso post com dicas incríveis sobre o mercado profissional para cadistas!

As funções de um profissional de AutoCAD

O sufixo CAD é uma abreviação da expressão em inglês Computer Aided Design, isto é, Desenho feito por Computador, na tradução para o português. No mercado da informática, há diversas soluções de tecnologia nesse estilo. O programa mais consagrado entre os usuários, porém, é o AutoCAD.
A principal aplicação desse software é a produção de desenhos técnicos em duas ou três dimensões. Assim, há versões de AutoCAD 2D e AutoCAD 3D. Em todo o mundo, milhares de usuários empregam essa ferramenta para projetar imagens de objetos virtualmente.
Dessa forma, eles facilitam o planejamento de peças, casas, prédios, sistemas, mobília e equipamentos que serão futuramente construídos ou fabricados. São exemplos de áreas que aproveitam essas funcionalidades a arquitetura, o design de interiores, a engenharia, entre tantas outras que explicarei ainda neste artigo.
Ou seja, o cadista, como também é conhecido o especialista nesse software, faz o rascunho no computador de diversos itens, como a peça para uma máquina da indústria, o layout de uma sala, ou até mesmo um mapa geográfico.

O técnico de AutoCAD pode produzir ainda desenhos virtuais de plantas, fachadas, perspectivas, redes hidráulicas e sistemas elétricos. Em alguns casos, esse expert também vai até as obras para acompanhar engenheiros e arquitetos na visitação às empresas ou pessoas contratantes.

O perfil ideal para atuar na área

O mercado profissional para cadistas exige que seus postulantes tenham bastante iniciativa quanto à qualificação e à reciclagem profissional. Desse modo, o especialista nesse software deve gostar de aprender, já que terá que fazer diversos cursos para aprimorar as suas habilidades.
Em outras palavras, esse tipo de técnico sabe a importância da atualização para crescer na carreira e conquistar chances de trabalho mais vantajosas. Assim, a personalidade de um cadista deve ser a de alguém persistente e esforçado. Isso vai influenciar a qualidade dos desenhos técnicos virtuais, ou seja, o resultado do trabalho.
Outra característica imprescindível nessa área é ser paciente. O cadista lida com profissionais de outras áreas, o que pode ser origem de conflitos se não houver uma boa capacitação técnica. Inclusive, são comuns os problemas durante a rotina de quem mexe com o AutoCAD. Por exemplo: às vezes, algumas plantas ou projetos podem simplesmente ser incompatíveis com esse software, o que vai exigir do técnico criatividade e jogo de cintura para providenciar adaptações.
Muitos nessa ocupação fazem um curso simples sobre o programa, mas não investem nas aulas mais avançadas. Isso é um erro porque impede que o usuário desfrute plenamente dos recursos da ferramenta.
Além dos potenciais do AutoCAD em si, o cadista precisa compreender temas de outras especialidades. Se você estiver trabalhando em um escritório de arquitetos ou mesmo em uma empresa de engenharia, terá que aprender a ler e a entender os projetos elaborados por esses profissionais.
Somente com esse discernimento, será possível cumprir a missão do cadista: viabilizar a concretização de projetos com mais velocidade e menos erros. Outro ponto muito importante que vai na mesma linha de raciocínio: é necessário dominar as bases do desenho técnico tradicional para usá-las na aplicação dos elementos que serão construídos virtualmente.
Uma boa noção dessa disciplina vai ajudar o profissional a ter mais segurança, a interpretar representações gráficas e a ter conhecimentos básicos de cálculo. Mas não é preciso desespero. No próximo tópico, falarei mais detalhadamente sobre o papel do desenho técnico no mercado profissional para cadistas. Acompanhe!

O desenho técnico no começo da carreira do desenhista cadista

Para se tornar um profissional nesse segmento, em primeiro lugar, você precisa conhecer o desenho técnico. Ele basicamente trabalha com plantas baixas e algumas projeções tridimensionais. Trata-se de uma atividade manual apoiada por régua, esquadros, transferidor e compasso (além da lapiseira, é claro!), a fim de facilitar a descrição e a apresentação de uma ideia por meio de regras e procedimentos.
Escalas, cúpulas geodésicas, ângulos e perspectivas compõem a linguagem gráfica que facilita o entendimento dos desenhos e ajuda o futuro cadista a se familiarizar com toda essa representação.
Só após ter aprofundado o conhecimento no desenho técnico é que se torna viável começar a trabalhar com o AutoCAD. As instruções amplamente difundidas no desenho técnico serão fundamentais na transposição dos rascunhos para o ambiente do software.
Em resumo: tenha a certeza de que mexer com AutoCAD sem saber nada sobre o desenho técnico é como querer fazer na agricultura uma boa colheita sem ter sementes: uma coisa é matéria-prima da outra!

A importância de aprender a interpretar projetos, além de operar o software

A importância do cadista saber ler e entender os projetos que lhes são entregues (ainda que sob a forma de rascunhos) é total. Ela se dá porque, em geral, sua rotina envolve o recebimento constante de esboços básicos de ideias que precisam tomar forma pela via computacional.
Simulações de viabilidade serão feitas no ambiente virtual para, só então, partir para a execução do projeto. Só tem um detalhe: não se reproduz o que não se entende, certo? Pois bem, os cursos de desenho técnico ajudam a dar ao profissional cadista uma visão ampla na interpretação de projetos, tornando-o mais lúcido em sua profissão.
Após iniciar o aprendizado do AutoCAD, o profissional provavelmente será levado a tomar uma decisão: seguir para a Engenharia Civil ou para a Engenharia Mecânica, duas das áreas que mais buscam profissionais especializados nesse software.
Até alguns anos atrás, o segmento mais carente de cadistas era o da Engenharia Civil (em função do aquecimento do setor, impulsionado pela Copa do Mundo e pelas Olimpíadas do Rio de Janeiro). Passada a euforia dos megaeventos no Brasil, outras áreas começam a brilhar diante dos olhos dos mais experientes especialistas em AutoCAD.

Média salarial dos profissionais de AutoCAD

Com uma rápida passada pelo Guia de Salários da Catho, você verá que a remuneração média paga a um Desenhista Cadista está atualmente em torno de R$ 1.770,00.
Já o Projetista Cadista (que vai além do desenho desenvolvido a partir de esboços de terceiros, sendo o responsável integral por projetos de diversos equipamentos e materiais usados para o setor produtivo) tem salário médio maior, de pouco mais de R$ 2.500,00, na média.
Como estamos falando de uma profissão que pode ser exercida só com um diploma de nível médio, não seria exagero dizer que a remuneração, de forma geral, é bastante interessante (especialmente, porque estamos tratando dos rendimentos iniciais). Concorda?
Além disso, existem chances reais de conseguir vencimentos mais altos se você focar o desenvolvimento da carreira no setor da indústria. Nessa área, um posto de trabalho para projetista de produtos pode alcançar os R$ 4 mil. Também é possível atuar como autônomo, assunto que abordarei logo a seguir.

Trabalho como freelancer

Uma outra possibilidade a ser explorada no mercado profissional para cadistas é a atuação autônoma. Essa opção é mais recomendada para quem já tem alguma experiência e, dessa forma, é possível trabalhar melhor uma rede de contatos.
Mas nada impede que alguém tente ingressar na área fazendo projetos independentes. Para trabalhar como freelancer, procure por profissionais, escritórios ou empresas nas áreas de arquitetura, design e nas mais diversas variantes da engenharia. Também ajuda muito participar de feiras e eventos. Se você tem vontade de investir em freelas, preste atenção nas dicas que darei logo mais. Veja só!

Comprove seu conhecimento

Todos sabem o quanto é crucial para o sucesso se manter atualizado, não é mesmo? Mas nem todo mundo consegue provar o domínio sobre um assunto, por mais talentoso e esforçado que seja. Já parou para pensar que as pessoas podem simplesmente inventar currículos?
Sendo assim, fazer cursos vai ajudar a conquistar mais qualificações para a vida prática, mas também contribuirá para fornecer mais credibilidade aos seus atributos. Afinal, ao término das aulas, você vai conquistar certificados que comprovarão as suas competências.

Monte um portfólio

criação de um portfólio é o primeiro passo para fazer a captação de seus clientes. As certificações, que mencionei há pouco, são muito sensíveis na hora de entrar para esse mercado, mas não bastam.
Você precisa ter uma mostra dos projetos nos quais já atuou. Depois, aos poucos, vá substituindo os trabalhos por outros mais relevantes ou que tenham clientes mais conhecidos na área. Divulgue esse material na internet, principalmente nas redes sociais.

Saiba precificar

Use a média salarial da categoria para estabelecer os seus preços. Desse modo, você não corre o risco de cobrar muito acima dos valores de mercado e, por causa disso, acabar perdendo oportunidades. Ao mesmo tempo, você não desvaloriza seu trabalho com montantes inferiores à média do segmento.
Pode usar as médias que acabei de passar logo acima. Outra dica é especular com profissionais da área na sua região para deixar essa quantia ainda mais pertinente à realidade profissional em que você está inserido. No Facebook e LinkedIn, há vários grupos da categoria para fazer contatos.

Construa a sua reputação

A melhor maneira de se destacar no mercado profissional para cadistas é oferecer um trabalho de qualidade, adequado ao que foi pedido pelo cliente, criativo, sem erros e, principalmente, que seja entregue dentro do prazo combinado.
Nada destrói mais a imagem de um freelancer do que a irresponsabilidade com as datas. Assim, você terá mais chances de ser procurado por esse cliente para novos jobs no futuro. Além disso, um contratante que gosta dos seus serviços pode indicá-lo para outras empresas e profissionais.

Profissões que utilizam o AutoCAD

O AutoCAD não é diversificado apenas nas áreas de atuação, mas também nas possibilidades de profissões. São muitas as vagas e cargos que exigem o conhecimento desse sistema de informática. Aliás, a computação gráfica como um todo propicia chances enormes de crescimento.
A seguir, observe uma lista de ocupações que aplicam o AutoCAD no cotidiano:

  • desenhista projetista: produz desenhos de mercadorias, equipamentos e ferramentas, faz fluxogramas, cria layouts e fornece subsídios em imagens para documentações técnicas;
  • desenhista elétrico: confecciona representações de sistemas elétricos, como painéis, especificações, mapeamento de rede etc.;
  • desenhista projetista civil: ilustra projetos para obras seguindo especificações técnicas;
  • desenhista cadista: desenha objetos técnicos para esboço de produtos, de máquinas, de novas instalações e de layouts decorativos, usando como principal instrumento o AutoCAD;
  • desenhista mecânico e desenhista industrial: traçam no ambiente virtual equipamentos que serão utilizados na indústria, bem como peças que poderão ser acopladas a essas máquinas. Também reproduzem sistemas de fluxo de trabalho ou de conjunto de maquinários, entre outros projetos ligados à indústria. Para isso, eles interpretam normas do segmento e as especificações técnicas necessárias.

Possibilidades de atuação

Muitas pessoas sonham em crescer na vida profissional e conquistar a tão desejada independência financeira. Mas nem todos conseguem tirar esse desejo do papel. Nem sempre é por falta de esforço ou dedicação.
Às vezes, a pessoa simplesmente não sabe para onde ir, no que exatamente fazer o seu investimento. Por isso, é fundamental ter paciência e pesquisar as alternativas do momento, isto é, as áreas que ofereçam chances reais de progresso.
Por essa razão, na hora de escolher o melhor curso para dar aquela guinada na carreira, pense bem em como está a situação de mercado desse ramo. Nesse contexto, o AutoCAD proporciona uma agenda promissora, com oportunidades em segmentos muito variados da economia. Acompanhe!

Indústria moveleira

Após alguma experiência como cadista, você poderá atuar no setor de móveis e decoração com maquete eletrônica, no qual os rendimentos são maiores.
A maquete eletrônica trabalha basicamente com a realidade virtual, dando vida ao projeto de decoração de uma casa, às mudanças no layout de um escritório, às alterações na disposição de móveis em um consultório, ou até mesmo à reformulação do projeto de um shopping. Tudo pode ser visualizado antes mesmo do início das fundações ou da reorganização de mobiliário.
Para trabalhar com maquete eletrônica, além do AutoCAD, você deverá conhecer outro programa da Autodesk: o 3D Studio Max. E, se o foco for maquete eletrônica, você precisa aprender apenas um dos módulos dos treinamentos: aquele que aborda a utilização do produto. Claro que, se você conhecer outros módulos — iluminação, por exemplo —, suas maquetes serão muito mais aprimoradas.

Escritórios de arquitetura

Antes do AutoCAD, os projetos arquitetônicos eram feitos à mão, o que demandava muito tempo e resultava em inúmeros erros. Por meio desse software, entretanto, atualmente, é possível criar plantas, seções transversais e elevações em 2D ou 3D (fazendo com que o objeto criado possa ser analisado por todos os seus ângulos).
O cadista que pretende trabalhar em um escritório de arquitetura deve ter em mente a importância de ir além do domínio do software e buscar conhecimentos básicos na área de edificações. Nesse ambiente, ninguém lhe ensinará a calcular um elemento construtivo, por exemplo, embora se trate de algo fundamental na rotina do escritório.

Engenharia mecânica

O AutoCAD é essencial no desenho de produtos e sua segmentação em diversas categorias, sempre com grande riqueza de detalhes. Esse processo facilita o desenvolvimento de peças e equipamentos para diversas indústrias (naval, automotiva e até têxtil). Por isso, esse ramo é uma grande oportunidade do mercado profissional para cadistas.

Engenharia elétrica

O AutoCAD é um dos softwares mais importantes aos engenheiros eletricistas, mas nem todos o dominam como deveriam. Com isso, muitos desses profissionais acabam contratando cadistas para transpor rascunhos de projetos elétricos para o ambiente gráfico, além de auxiliar no desenho da fiação de edifícios e casas, representação de circuitos etc.

Consultorias especializadas em cartografia e topografia

Já ouviu falar em empresas especializadas na prestação de serviços de aerofotogrametria (fotografias aéreas), cartografia, topografia e meio ambiente? Pois existem várias dessas companhias no Brasil e todas elas necessitam de bons profissionais com domínio de AutoCAD.
Empresas como essas trabalham com interpretação de imagens de aspectos geográficos para elaboração de mapas cartográficos e cartas topográficas. Mas como fazer uma boa análise sem ter em mãos um bom projeto em 3D? É aqui que entra a demanda intensa por cadistas em empresas desse segmento. Dá para trabalhar até no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)!

Engenharia civil

Imagine, por exemplo, executar uma instalação hidráulico-sanitária em um edifício no mais absoluto improviso, sem estudar com calma a viabilidade das passagens dos canos, eventuais incompatibilidades com as paredes de alvenaria ou possíveis choques elétricos.
Acha mesmo que uma construtora gastaria toneladas de materiais para, só na execução, perceber que o projeto está incorreto? Pois essa cena está longe da realidade da construção civil graças às possibilidades de simulação com AutoCAD. Eis uma das áreas mais comuns na absorção dos especialistas nesse software: a área construtiva.
Outra função imprescindível aos profissionais com formação em AutoCAD é realizar cálculos estruturais para avaliar o peso e a força de empuxo de diversos equipamentos da construção civil.

Criado em 1982, o AutoCAD se tornou uma unanimidade em software para projeção de ambientes em 2 ou 3 dimensões. Seus concorrentes similares, ArchiCAD, VectorWorks e o 12d Model nunca chegaram nem perto de sua popularidade. Isso reforça a necessidade de buscar um curso de AutoCAD a fim de aprender as funcionalidades do aplicativo ou conhecer as ferramentas da sua versão mais recente.

Importância de estar sempre atualizado com as últimas versões do software

É natural que um software com 36 anos de vida sofra muitas alterações e aprimoramentos, com a inclusão de novas interfaces e funcionalidades que facilitam cada vez mais a rotina do profissional. Dessa maneira, é essencial conhecer as versões mais recentes do AutoCAD, já que essas certamente serão as mais abrangentes da família desse importante programa de informática. Veja algumas versões:

Versão LT

Versão limitada, com recursos enxutos, tendo entre suas mais importantes funções a documentação e modelagem 3D.

Versão 360

Versão online, cujo download pode ser feito diretamente no site da Autodesk. Permite interface com diversos suportes (computadores, tablets ou smartphones). Trabalha com armazenamento de arquivos em nuvem.

Versão Architecture

Versão mais completa, direcionada a arquitetos que necessitam de uma gama maior de recursos de modelagem 2D.

Versão Civil 3D

Centralizado nas necessidades da engenharia civil (com moldes padronizados do setor).

Versão Map 3D:

Ideal ao setor de geografia e geologia. Oferece recursos para facilitar a representação de imagens geográficas, como coordenadas de GPS, além de trazer as funcionalidades padrões do AutoCAD tradicional.

Versão Mechanical

Projetado para atender as necessidades do setor de engenharia de produtos. Dispõe de possibilidades múltiplas de automatizações do software para otimização dos trabalhos nessa área.
Espero ter ampliado sua visão sobre as infinitas possibilidades que se abrem a quem conhece essa ferramenta gráfica. Com um pouco de dedicação, obter sucesso no mercado profissional para cadistas se torna uma realidade bastante palpável.
Aliás, você tem algum conhecimento no assunto? Se interessou por essa área? Então, assine a nossa newsletter e fique sempre por dentro desse promissor campo de trabalho! Sucesso e até breve!
*Eduardo Engelmann é ilustrador, infografista e designer gráfico há mais de 30 anos e atua também como instrutor no segmento de design.

2 Comentários

  1. Regularização Imoveis prefeitura disse:

    obs.:orçamento sem compromisso por email.

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!