Por que mentir no currículo é tão comum – e tão ruim?

Muitos profissionais brasileiros ainda seguem a prática de mentir no currículo. Mas por que isso acontece? Quais os riscos? Saiba como fugir dessa armadilha(...)

Autor: Bruno Saes

O que quatro ministros, uma renomada doutora em química, um governador e centenas de profissionais têm em comum?
Infelizmente a resposta não é uma daquelas piadas de comparação, mas sim uma inconveniente verdade sobre o mercado brasileiro. Em todos os exemplos da pergunta acima as pessoas contam com, digamos, “informações distorcidas” em seus currículos.
Os casos envolvendo políticos e pessoas públicas ganharam grande repercussão nas últimas semanas devido à descoberta de informações inverídicas nos cadastros Lattes – sistema que armazena informações de pesquisadores. Foram flagrados desde inexistentes Doutorados em Harvard (EUA), até publicações duplicadas – o chamado autoplágio.
Porém, a verdade é que a prática não é restrita aos altos títulos e nem representa um comportamento novo no mercado de trabalho. Segundo levantamento da consultoria DNA Outplacement, mentir no currículo é mais comum do que pode parecer, já que acontece com cerca de 75% dos profissionais brasileiros.
Mas por que tantos profissionais mentem no currículo? Quais os principais problemas disso? Vamos entender!

Os perigos de mentir no currículo

Ainda segundo a pesquisa da DNA, as mentiras mais comuns nos CVs brasileiros estão relacionadas aos valores de salário atual (48%) e ao domínio do inglês (41%). Porém, há muitos casos também (12%) de pessoas que aumentam o grau de escolaridade ou incluem cursos falsos no currículo.
Há também casos que costumam ser relativizados como “pequenos floreios”, como quando o profissional diz ter “domínio do Office”, mas na verdade conhece apenas o Word ou PowerPoint, ou quando diz possuir conhecimento básico em Excel, mas tem dificuldades com as planilhas.
Porém, por menor que seja a mentira no seu currículo, ela pode ser descoberta e acabar colocando toda a carreira em risco.
Além da questão de deslealdade com quem está disputando uma vaga de emprego com você, a prática de dar uma “ajeitadinha” fraudulenta no currículo ainda impõe alguns riscos. Veja alguns exemplos:

1 – Descrédito profissional

Ser pego na mentira nunca é uma experiência agradável, mas no campo corporativo é ainda pior. Além do possível constrangimento de ser descoberto em um processo seletivo, por exemplo, há sempre o risco do fato acabar “queimando” o profissional com outros recrutadores e empresas.

2 – Não conseguir realizar as tarefas do cargo

De que adianta colocar no currículo que tem domínio em determinada área ou ferramenta, se na prática do trabalho você não tiver o conhecimento necessário para desempenhar as tarefas?
Como dizia sua mãe, a mentira tem perna curta. Ou seja, ninguém consegue sustentar a deficiência por muito tempo e logo os superiores perceberão que o profissional não foi totalmente honesto no currículo e nas entrevistas.
Pense bem se vale a pena: se o cargo pede especificamente uma habilidade que você não possui, dificilmente conseguirá se sair bem na função.
Já se o cargo não pede esse conhecimento, pra que colocá-lo no currículo se não fará diferença para o recrutador?

3 – Processos legais

Em casos mais extremos, como na falsificação de diplomas e certificados, o profissional que mente no currículo pode até mesmo estar cometendo um crime.
Se descoberto – ou melhor, quando descoberto -, o infrator pode sofrer processos judiciais, causando dificuldades para o seguimento da carreira.

Novos processos seletivos tentam limitar os “Pinóquios dos currículos”

Além dos riscos já levantados, vale lembrar que muitas empresas – em especial as grandes e mais inovadoras – já contam com processos seletivos mais rígidos e analíticos para evitar aquele currículo “floreado”.
Algumas áreas, como a de Tecnologia da Informação, optam por escolher apenas os profissionais que tenham certificados oficiais com comprovação nas certificadoras ou por tecnologia blockchain, por exemplo.
Em outros casos, realizam testes e provas para verificar o conhecimento informado, eliminando assim aqueles que falsificaram a informação no currículo.
Conhecendo tudo isso, já dá pra ver que aquela “mentirinha básica” não ajudará muito para que você consiga um bom emprego, não é mesmo?
Mas então, como fazer para destacar seu currículo em meio a tantos outros? Veja a seguir!

5 dicas para turbinar o seu currículo de verdade

1 – Mantenha-se atualizado e preparado com cursos livres

Os cursos e treinamentos em práticas, metodologias e ferramentas específicas, como em linguagens de programação ou técnicas avançadas de Excel, são ótimas opções para garantir conhecimento em pouco tempo. Se realizados em uma empresa reconhecida pelas organizações, é ainda melhor!
Além de gerar um certificado que comprova o aprendizado, essa opção geralmente tem custos menores e garante bastante destaque entre os currículos.

2 – Busque uma formação superior de qualidade

A graduação ou uma pós-graduação com certeza ainda são grandes diferenciais em um currículo. A especialização superior garante ao profissional uma formação base que é fundamental – e às vezes eliminatória – para diversas áreas.
Com a tecnologia, ficou muito mais fácil para as recrutadoras checarem se um diploma é verdadeiro ou mesmo se a formação tem aprovação do MEC.

3 – Use um e-mail formal para sua vida profissional

Nada de usar aquele e-mail do tempo de MSN, hein? Não fica bem mandar um currículo pelo e-mail nomeHtinha@xmail.com, não é mesmo?
Além de passar uma imagem bem mais séria e profissional, um e-mail simples e direto com o seu nome será bem mais fácil de lembrar e evitar erros na hora do envio.

4 – Capriche no perfil do LinkedIn

Hoje em dia, muitas empresas e recrutadoras preferem buscar ou analisar os perfis profissionais no LinkedIn. Por isso, criar uma conta e seguir as melhores práticas para ter um bom perfil é fundamental.
E nem adianta pensar em mentir na plataforma, hein? Essas empresas também costumam analisar criteriosamente as informações cadastradas!

5 – Tenha foco e deixe claro seus objetivos

Um bom currículo é aquele que vai direto ao ponto e sabe destacar as habilidades, qualificações e objetivos com a vaga. Documentos muito grandes e prolixos acabam confundindo os recrutadores.
Procure destacar apenas as últimas ou mais relevantes experiências. Se não tem muita relação com o cargo pretendido, poderá ter pouca importância na hora da análise da empresa.
 
E aí, acha que com essas dicas já dá para abandonar de vez a prática da mentirinha no currículo? Diga pra nós o que achou aqui nos comentários!

1 Comentário

    Deixe o seu comentário!

    Não perca nenhum post!