Cursos Técnicos: tenha oportunidades de carreira!

Os cursos técnicos são outras alternativas, além da faculdade, para quem quer construir uma carreira, sendo voltados mais para a prática e preparação.(...)

Autor: Redação Impacta

A faculdade não é a única alternativa para quem está no ensino médio e planeja o seu próximo passo na vida acadêmica. Os cursos técnicos, por exemplo, são uma ótima opção para quem deseja entrar no mercado de trabalho mais rapidamente ou pretende mudar de ramo de atuação.
Isso acontece pois os cursos desse tipo são mais voltados para a prática e a preparação dos alunos às exigências das vagas de emprego. Além disso, vale notar que é possível iniciar um curso técnico ainda no ensino médio, o que acelera a inserção no mercado de trabalho.
Por conta disso, reunimos neste post as principais informações sobre a realização de cursos técnicos. Contaremos a seguir o que são essas especializações, em quais tipos se dividem, as principais vantagens, quais são os cursos e as certificações em alta, entre outras informações, tudo em detalhes. Quer saber mais? Então, venha com a gente e confira!

   O que são os cursos técnicos?

É comum o pensamento de que, academicamente, o ensino médio é sempre sucedido pela faculdade, e esse é um dos motivos para existir certa confusão ao tratarmos dos cursos técnicos.
Uma das dúvidas mais frequentes diz respeito à possível equivalência do nível técnico em relação ao tecnólogo, e a resposta curta é: não são equivalentes. Os cursos técnicos são uma categoria específica do sistema de ensino no Brasil, sobre a qual veremos os detalhes mais adiante. 
As diferenças partem do nível de escolaridade que cada um representa e exige do aluno. Enquanto um curso técnico é de nível médio – podendo, inclusive, ser cursado de forma integrada ao ensino médio regular, o tecnólogo é um tipo de formação do nível superior.
Ao decidir tanto por uma formação técnica quanto por uma tecnóloga, é preciso considerar o nível de escolaridade atual e a área de interesse. Vale notar que ambos os níveis de especialização estão em alta no mercado, trazendo boas chances de contratação.

   Qual a diferença entre um curso técnico e uma graduação?

Uma das características que mais distingue um curso técnico de uma graduação é o tempo de duração do curso. Enquanto uma graduação dura em média de quatro a seis anos, uma formação de nível técnico leva entre um e dois anos – aqui, desconsiderando casos nos quais o aluno cursa o nível técnico de forma integrada ao médio.
Apesar dessa vantagem na velocidade de inserção do estudante no mercado de trabalho, vale lembrar que uma formação técnica não substitui uma de nível superior, seja bacharelado, seja licenciatura. Por conta disso, é natural que exista uma diferença na média salarial de cada formação – sendo o salário do técnico, normalmente, mais baixo do que o do superior e outros níveis de ensino.
Ainda assim, os salários podem variar conforme a área e o nível de aprofundamento do profissional naquele assunto. Nesse sentido, nota-se que é de grande importância buscar saber mais esses e outros detalhes antes de optar entre uma formação técnica ou superior.

   E qual a diferença entre um curso técnico e um tecnólogo?

Os cursos tecnólogos também são conhecidos como cursos superiores de tecnologia, e as principais diferenças deles em relação aos cursos técnicos são, além do nível, a duração, os requisitos e o foco. Mencionamos que os cursos tecnólogos são de nível superior, diferentemente dos técnicos, que são de nível médio.
Já a respeito da duração, os tecnólogos variam entre dois e três anos. Os cursos técnicos, enquanto isso, podem ter uma variação muito maior, indo de dois meses até três anos, a depender da área e do nível de especialização.
Além disso, um diferencial importante está nos requisitos de cada um. Os cursos tecnólogos exigem que o aluno já tenha concluído o ensino médio, enquanto os de nível técnico podem ser realizados tanto depois quanto durante esse período.
Por fim, uma distinção relevante está no foco de cada formação. Apesar de ambos os níveis serem voltados para o mercado de trabalho, os cursos tecnólogos costumam formar supervisores, gestores, coordenadores e analistas. Enquanto isso, os de nível técnico são voltados para o operacional.

   Como os cursos técnicos são categorizados?

Um curso técnico visa capacitar o aluno com conhecimentos da teoria e da prática em várias atividades da área escolhida, de modo a prepará-lo rapidamente para o mercado de trabalho. Essa modalidade de curso se situa entre o nível médio e o superior.
Vale salientar, ainda, que apesar de poder ser feito enquanto o aluno está no nível médio, o diploma técnico só pode ser obtido após a conclusão de ambos. No Brasil, essa modalidade é dividida em três tipos, e esses tipos podem pertencer a qualquer um dos eixos tecnológicos existentes. A seguir, detalhamos tudo isso.

  • Curso técnico integrado

Um curso técnico integrado é feito junto ao ensino médio, utilizando parte da carga horária dele. Pode ser iniciado logo após o aluno concluir o ensino fundamental.
Assim, o estudante que optar pelo ensino médio integrado ao técnico contará com as disciplinas tradicionais e, também, as específicas do curso escolhido. No fim, são entregues tanto o certificado do ensino médio quanto o de nível técnico com o curso realizado.

  • Curso técnico externo

Um curso técnico externo – também conhecido como curso técnico concomitante – é uma modalidade separada do ensino médio, feita em paralelo. O modelo externo exige que o aluno tenha concluído pelo menos o primeiro ano do ensino médio.
Para cursar ambos simultaneamente, o estudante pode, por exemplo, fazê-lo em dois turnos: matutino para o tradicional e vespertino para o técnico, por exemplo. 

  • Curso técnico profissionalizante

Os cursos técnicos profissionalizantes também são conhecidos como subsequentes e são uma opção para pessoas que já concluíram o ensino médio e querem fazer um curso técnico.
São uma boa alternativa para quem deseja entrar no mercado de trabalho de forma mais rápida do que em uma graduação. Entretanto, apesar de ser mais breve, vale lembrar que a formação obtida por meio de um curso técnico é, em qualquer modalidade, mais simples do que em um curso de nível superior.

  • Eixos tecnológicos existentes

No Brasil, os cursos técnicos são categorizados em 13 áreas distintas, também conhecidas como eixos tecnológicos. Abaixo, citamos cada um deles:

  • Ambiente e Saúde;
  • Controle e Processos Industriais;
  • Desenvolvimento Educacional e Social;
  • Gestão e Negócios;
  • Informação e Comunicação;
  • Infraestrutura;
  • Militar;
  • Produção Alimentícia;
  • Produção Cultural e Design;
  • Produção Industrial;
  • Recursos Naturais;
  • Segurança;
  • Turismo, Hospitalidade e Lazer.

   Quais as vantagens de realizar um curso técnico?

Realizar um curso técnico traz diversas vantagens para a vida profissional de um estudante e, a seguir, listamos as principais delas. Confira!

Mais certeza ao decidir por um curso superior

Escolher uma área de atuação definitiva é uma decisão complicada da vida acadêmica e profissional de muitos estudantes, dada a quantidade de opções e preferências. Nesse sentido, ao optar por uma formação de nível técnico, o estudante poderá contar com um estágio na área, que servirá para dar mais embasamento às decisões, facilitando a escolha de qual área seguir no nível superior.

Aumento da área de conhecimento

Um estudante de nível técnico consegue fazer estágio durante o curso, tendo, antes do ensino superior, a experiência de trabalhar na sua área de interesse. Essa experiência com o trabalho permite que o aluno compreenda melhor o ramo de atuação que escolheu e quais oportunidades poderá alcançar por meio dele.

Mais oportunidades de emprego

Além disso, caso o aluno escolha realizar um curso técnico integrado ao ensino médio, será muito mais fácil garantir uma formação ampla e voltada para o mercado de trabalho já que, logo ao deixar o colégio, a probabilidade é maior de conseguir um emprego.
Entretanto, ainda que o aluno escolha fazer o curso técnico somente após a conclusão do médio, as oportunidades de trabalho no início do técnico serão maiores que as de alguém que opta pela graduação, por exemplo.

Melhora do currículo

Um outro aspecto relevante é o currículo do profissional. As alternativas mais completas, com experiências e formações relevantes, tendem a ter mais espaço na mesa dos recrutadores, o que é fundamental para quem está à procura de emprego.
Nesse sentido, um currículo com curso técnico definitivamente é relevante para uma empresa, já que mostra que o profissional conhece determinada área de forma mais específica, ou seja, tende a ser mais capacitado.

Custo reduzido

Por ter duração e carga horária menores, os cursos técnicos tendem a ter um custo menor do que as graduações, ainda que o valor das mensalidades dependa da área escolhida. Essa é uma boa notícia para quem queira melhorar o seu nível de capacitação profissional por um custo menor.

Duração menor

Como mencionado, um dos diferenciais da formação técnica é o menor tempo de duração, comparado aos cursos de nível superior.
Assim, enquanto uma graduação exige de quatro a seis anos de dedicação, o curso técnico normalmente dura um máximo de três anos, o que é uma grande otimização de tempo para quem tem pressa de estar no mercado de trabalho e, ainda, serve como um incentivo para um aprendizado mais prático e sucinto.

Maior proximidade da universidade

Fazer um curso técnico na sua área de interesse ajuda a aproximar o aluno da universidade, uma vez que um aprendizado está ligado ao outro.
Isso ocorre, por exemplo, quando o estudante faz curso técnico em edificações e depois decide seguir na área de engenharia civil, no nível superior. Os conteúdos estudados no curso técnico servirão como uma base para diversas disciplinas da faculdade.
314030-por-que-realizar-cursos-tecnicos-abrem-oportunidades-de-carreira

   Quais os cursos técnicos mais procurados no mercado de trabalho?

O mercado tem buscado profissionais mais especializados, e existem diversas áreas nas quais é possível encontrar, além de uma boa quantidade de vagas, salários realmente interessantes. A seguir, listamos as áreas com maior nível de empregabilidade no mercado, atualmente. Saiba quais são elas!

  • Desenvolvedor web e mobile

mercado de tecnologia deu um enorme salto nos últimos anos. Dispositivos modernos e que permitem realizar diversas tarefas na palma da mão criaram um perfil de consumidor que está totalmente acostumado com a ideia do comércio eletrônico e as compras online.
Além disso, com o uso intenso das redes sociais, os smartphones se tornaram o principal meio de comunicação das pessoas. Com tudo isso, são necessários profissionais que consigam atender às demandas para essa área. Os desenvolvedores web e mobile realizam essa tarefa e, nos últimos anos, têm ganhado bastante espaço no mercado.
Os salários para essa área podem variar desde R$ 3 mil a R$ 12 mil por mês, a depender da tecnologia com a qual se trabalhe — C#, Java, JavaScript ou Python, por exemplo – e do nível de especialização.
Para ajudar na formação de uma carreira incrível em desenvolvimento, a Impacta oferece diversos cursos livres em diversas tecnologias que são tendências, como blockchain, React.JS, Kotlin, ASP.NET Core, entre outras.

  • Técnico em redes de computadores

Esse avanço da tecnologia também trouxe novidades na empregabilidade dos profissionais da área de redes de computadores. Considerando que quase tudo que fazemos nos dispositivos móveis hoje é online, mais técnicos de redes são necessários no mercado para gerenciar toda essa infraestrutura e manter os serviços operantes.
Os salários para técnicos de redes podem partir dos R$ 3 mil e chegar até a R$ 10 mil em algumas empresas, dependendo do nível de especialização do profissional. Na Impacta, a lista de cursos da área de redes inclui tecnologias como Windows Server, Linux LPI, SharePoint, entre outras opções.

  • Técnico em logística

Um técnico em logística é responsável por acompanhar processos relacionados ao transporte de serviços e de mercadorias de uma empresa. Entre as suas atividades, estão o cuidado com a gestão das operações e a busca por formas mais econômicas e eficientes de aumentar a produtividade do negócio.
De acordo com o nível de especialização, um técnico em logística pode conseguir até R$ 9 mil por mês em grandes empresas, e o tempo de formação de um profissional dessa área costuma ser de um ano e meio.

  • Técnico em recursos humanos

Um técnico da área de recursos humanos — ou simplesmente RH — auxilia no processo de gestão do negócio, especialmente no que diz respeito aos colaboradores. Entre as suas atribuições estão a análise de benefícios, pesquisa de direitos trabalhistas e processos de contratação e demissão de funcionários.
O tempo de formação de um técnico de RH costuma ser de aproximadamente um ano e, a depender do tamanho da empresa, as vagas para esses profissionais podem pagar até R$ 8,7 mil mensais.
Nesse sentido, a Impacta conta com soluções ideais ao disponibilizar diversos cursos de planejamento e gestão que abordam comunicação, resolução de conflitos, feedbacks e até mesmo a Lei Geral de Proteção de Dados.

  • Técnico em seguros

A rotina de um técnico dessa área inclui lidar com processos relacionados à contratação de seguros, como organização contábil, controle de apólices, acompanhamento de sinistros, análise de riscos, entre outros.
O curso costuma levar um ano e, a depender da experiência e do porte da empresa, é possível encontrar vagas de até R$ 7 mil mensais.

  • Técnico em contabilidade

Esse curso também costuma ter um ano de duração, e o profissional especializado nessa área lidará com a parte financeira da empresa. Isso inclui transações e atividades que envolvam a análise de documentos fiscais, movimentações, atividades contábeis e afins.
Também de acordo com a experiência e porte da empresa, os salários para esse profissional podem alcançar até os R$ 6,5 mil.

  • Técnico em marketing

Um técnico em marketing trabalha com projetos voltados para a comunicação, busca novos clientes, faz análises de vendas e, sucintamente, ajuda a melhorar a relação entre cliente e empresa.
Os técnicos dessa área também costumam ter cursos com duração de um ano. Entretanto, é possível encontrar cursos rápidos que permitem obter diversos conhecimentos em menor tempo. Esse é o caso, por exemplo, dos cursos da Impacta voltados para e-commerce e marketing digital.

  • Técnico em segurança do trabalho

Técnicos de segurança do trabalho são profissionais relativamente conhecidos no mercado, principalmente na área de construção civil.
Esses técnicos têm como responsabilidade a identificação de fatores de risco no ambiente de trabalho, propondo políticas de segurança e técnicas que previnam acidentes, além de informar colaboradores a respeito dos procedimentos e das normas aplicáveis.
A duração de um curso técnico em segurança do trabalho normalmente é de um ano e meio, e profissionais da área podem conseguir salários de até R$ 5 mil, dependendo do porte da empresa.

  • Técnico em mecânica

Cursos técnicos em mecânica levam aproximadamente um ano e meio para serem realizados e abordam questões como a instalação, o manuseio e a manutenção de máquinas industriais. Profissionais dessa área podem encontrar vagas de nível técnico com salários de até R$ 4,6 mil por mês, dependendo da empresa em questão.

  • Técnico em enfermagem

Os técnicos em enfermagem também são grandes conhecidos no mercado de trabalho. Sua atuação é voltada para o auxílio nas operações de equipes de enfermeiros de hospitais e clínicas.
Com cursos que levam em média um ano e meio, o profissional dessa área domina técnicas como aplicação de curativos, administração de medicamentos e banhos em pacientes. Após certo tempo de experiência, o salário de um técnico desse setor pode alcançar os R$ 4,5 mil mensais.

   Como escolher um curso técnico ideal para você?

Se para muitos, a grande quantidade de opções pode facilitar a decisão, para outros, essa tarefa pode continuar complicada. É por isso que mostramos algumas das principais dicas para quem tem interesse em escolher um curso técnico ideal. Confira!

  • Conheça seu perfil

Conhecer o próprio perfil é o primeiro passo dessa jornada. Nessa fase, é recomendado fazer uma lista com as principais atividades de que você gosta ou que gostaria de desempenhar, tanto no trabalho quanto no lazer. Além disso, anote questões como os seus pontos fortes, habilidades e também os pontos fracos.
Analisar essas anotações ajudará na tarefa de compreender melhor o que você gosta de fazer e com quais tipos de trabalho se dará melhor — e se apresenta, por exemplo, um perfil para trabalhar em startups. Se ainda assim encontrar dificuldades, não se preocupe. É possível fazer testes vocacionais ou até mesmo buscar ajuda de profissionais para descobrir isso.

  • Determine sua área

Após conhecer o seu perfil, o passo seguinte é encontrar a área que você deseja seguir. Aqui vale realizar uma breve busca pelos eixos tecnológicos listados anteriormente e determinar com qual deles você tem mais afinidade.

  • Pesquise os cursos disponíveis

É perfeitamente normal que, apesar das muitas opções disponíveis, poucas delas sejam do seu agrado. Basta descobrir uma pela qual haja mais interesse e buscar os cursos disponíveis para ela.
Ao analisar os cursos existentes, observe questões como a ementa do curso e quais são as disciplinas estudadas. Também é útil conhecer profissionais da área e ver como é o quotidiano de trabalho, além de assistir a palestras a respeito da área desejada.

  • Equilibre empregabilidade, seus recursos e suas preferências

Vale considerar a possibilidade de o seu curso não estar disponível na sua cidade. Isso é útil pois, além de analisar melhor as opções, você poderá realizar cálculos como os gastos necessários com o transporte e a moradia, se for o caso.
Também é importante ponderar o nível de empregabilidade da área escolhida, afinal, mais do que escolher uma profissão que seja prazerosa, é importante que ela ofereça boas oportunidades de trabalho.

  • Conheça a instituição

Ao optar pelo seu curso, é natural que algumas alternativas de instituição surjam. Esse é um ponto delicado, uma vez que, além de questões como distância e gastos, é importante observar a infraestrutura disponibilizada aos alunos – esta implicará diretamente na qualidade do aprendizado.
No caso de um curso técnico em edificações, por exemplo, vale observar se a instituição conta com laboratórios e ferramentas para testes e ensaios. Para isso, a melhor dica é fazer uma visita ao polo escolhido e conhecer o que há disponível. No caso de cursos a distância, vale testar os recursos da plataforma de ensino.

  • Busque programas de financiamento estudantil

Por fim, confira se a escola técnica escolhida tem algum vínculo com programas de financiamento estudantil. Ao contar com descontos ou auxílios, realizar o curso se torna uma tarefa mais fácil.
Ainda nesse tópico, vale lembrar que a concorrência entre as faculdades faz com que melhores bolsas e oportunidades surjam, de forma que é possível realizar cursos com descontos ainda maiores do que há alguns anos. 
Assim, fica claro entender o motivo para os cursos técnicos apresentarem oportunidades tão interessantes para quem tenha interesse em entrar no mercado de trabalho. Além disso, ao seguir as dicas apresentadas, fica muito mais fácil encontrar uma opção que se enquadre nas suas preferências, trazendo melhores oportunidades e mais satisfação com a vida profissional.
Compreendeu como os cursos técnicos abrem portas para o mercado de trabalho e uma carreira de sucesso? Quer conhecer mais sobre as tendências do mercado? Então, confira agora mesmo como a transformação digital impacta as empresas e pode impulsionar sua carreira por meio do e-book que preparamos para você!
Não esqueça de deixar seu comentário nos contando se o conteúdo foi útil para você ou caso tenha ficado alguma dúvida!

1 Comentário

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!