Conheça as 8 principais especializações na área de TI

Quer se destacar e se preparar o mercado de trabalho do presente e do futuro? Então, você precisa conhecer essas especializações na área de TI. Veja (...)

Autor: Redação Impacta

Não pode ler esse artigo agora? Ouça a matéria no Player abaixo:

A crise financeira está passando e sabemos que o mercado de TI foi um dos que conseguiram resistir aos tempos de difícil aquisição financeira. Isso por que a tecnologia é quase indispensável nos dias de hoje e novas vagas vêm surgindo para lidar com a tecnologia, cada dia mais presente em nosso cotidiano. Nesse ponto, destacam-se as especializações em TI.
Tendo em vista que os especialistas são pessoas que se ocupam exclusivamente de uma área particular de estudo, os de TI são profissionais que focam seus estudos em tendências do mercado e novas tecnologias capazes de transformar o dia a dia de uma empresa e da sociedade.
Para ter o título de especialista, é necessário fazer um curso de pós-graduação em uma instituição credenciada. A pós-graduação consiste em um curso de pelo menos 360 horas e duração mínima de um ano.
Apesar do grande número de vagas abertas no mercado, profissionais pós-graduados estão sendo cada vez mais requisitados, e é importante investir em você para obter o devido destaque. Pensando nisso, este post falará sobre as 8 principais especializações na área de TI. 

      1. Cientista de dados (data science)

O conceito de cientista de dados está intimamente ligado com outro termo bastante utilizado atualmente: Big Data. A grande questão da atualidade é a massiva quantidade de dados que só aumenta a cada ano. Nesse sentido, não basta ter os dados, é necessário transformá-los em informações e interpretá-los para obter os melhores resultados.
Um cientista de dados é um profissional com uma base sólida em computação, matemática, estatística e modelagem, com técnicas capazes de resolver problemas complexos de dados. Ou seja, eles conseguem adquirir um grande volume de dados, organizar e tratá-los, gerando informação e inteligência no campo dos negócios. Esses profissionais deverão ser capazes de:

  • desenvolver estratégias de dados para elaborar modelos de negócios;
  • dominar frameworks de processamento e armazenamento de dados, como Hadoop e Spark;
  • criar e modelar banco de dados não estruturados;
  • aplicar técnicas de gestão de dados;
  • identificar padrões de comportamento; 
  • criar visualizações adequadas dos dados criados.

Os cientistas de dados serão os analistas responsáveis pela mudança na organização em que trabalham, por meio de análise de diversas fontes de dados.

      2. Business Intelligence (BI)

O BI se relaciona em certo ponto com o cientista de dados. Ambos lidam com informação. No entanto, é o especialista em BI o responsável pelos processos de tomada de decisão. Assim, esses profissionais assumem cargos de confiança nas empresas e são os responsáveis por gerir a informação coletada e interpretá-la de maneira inteligente.
Os profissionais especializados em BI são capazes de entender estratégias e necessidades dos mais diferentes tipos de negócio, tendo condições de gerenciar, projetar e desenvolver soluções que auxiliam a tomada de decisões das organizações. A pós-graduação em BI ensina o profissional a:

  • tomar melhores decisões;
  • testar os conhecimentos usando situações e problemas reais do mercado;
  • conhecer as ferramentas comerciais; e
  • criar um projeto completo de BI.

      3. Engenheiro de softwares

A criação de softwares se utiliza dos mesmos processos de construção usados em outras engenharias, como a civil, mecânica etc. Dominar a metodologia de construção desses sistemas é o papel do engenheiro de software. Um bom especialista na área pode desempenhar diversos papéis no mercado de trabalho, como analista de sistemas, analista de requisitos, gerente de projetos, entre outros.
A especialização em engenharia de softwares busca prover aos participantes uma visão ampla e atualizada das tecnologias para desenvolvimento de softwares de forma sistemática e previsível e também para a gestão dos projetos que envolvem esse desenvolvimento. O profissional especializado deverá ser capaz de:

  • dominar metodologias ágeis de software;
  • elaborar a engenharia de requisitos;
  • realizar o design de software;
  • entender sobre qualidade de projeto, produto e processo de software;
  • implementar e fazer reúso de software;
  • gerenciar o desenvolvimento;
  • compreender os fundamentos da arquitetura de sistemas web e aplicações de dispositivos móveis; 
  • fazer testes sistemáticos.

O papel desempenhado pelo engenheiro de software qualificado nas empresas é muito importante, uma vez que é o responsável por toda a especificação e supervisão do produto desenvolvido pela companhia de tecnologia. 

      4. Desenvolvimento de aplicativos móveis

Essa pós-graduação tem seu foco no futuro da tecnologia: dispositivos móveis. Isso é refletido na crescente demanda por desenvolvedores para Android, Windows Phone e iOS. O desenvolvedor de aplicativos pode ter uma alta rentabilidade, podendo trabalhar tanto sozinho quanto em grandes corporações com foco na área.
O desenvolvimento de aplicações móveis tem características próprias que são específicos do ambiente, como baixa memória, tempo de bateria, tamanho de tela etc. Por isso, a pós-graduação nessa área se tornou tão importante, pois ela prepara o desenvolvedor para lidar com esse tipo de situação.
O profissional especialista em aplicações móveis deverá ser capaz de entender:

  • a arquitetura para aplicações móveis;
  • computação em nuvem;
  • Internet das Coisas (IoT);
  • plataformas de desenvolvimento para Android, IOS e Windows Phone;
  • design de interação;
  • desenvolvimento de APIs para Back-end
  • segurança de aplicações.

Além disso, a formação do profissional conta com conhecimentos em gerência, modelo de negócios e análise do mercado.

      5. Desenvolvedor de jogos

Os dispositivos móveis citados no tópico anterior trazem também a uma perspectiva maior para o desenvolvimento de jogos para essas plataformas. Sucessos estrondosos como Candy Crush Saga e Angry Birds dão uma dimensão do futuro que o desenvolvimento de jogos tem.
Isso sem falar da popularização de plataformas de jogos como a Steam, que dá visibilidade para empresas de pequeno e médio porte divulgarem seus jogos. Inclusive, o mercado de jogos no Brasil movimenta mais de 900 milhões de reais, com um crescimento entre 9% e 15% ao ano, sendo responsável pela geração de mais de 4 mil empregos no setor de tecnologia.
O profissional desenvolvedor de jogos é capaz de atuar em todas as etapas de criação de um jogo — da concepção e desenvolvimento até a criação de arte. Desse modo, os cursos de graduação em jogos digitais ensinam ao aluno a:

  • entender o mercado de games;
  • construir jogos para aplicativos móveis;
  • especificar, projetar e desenvolver jogos;
  • conhecer as tecnologias;
  • entender sobre gamificação
  • empreendedorismo voltado para games.

      6. Segurança da informação

Com os avanços tecnológicos, os computadores foram transformados em ferramentas de trabalho, comunicação e armazenamento de dados, aumentando o número de fraudes e crimes virtuais, é preciso a existência de um profissional da área., que faz a reunião de habilidades como, a identificação de perigos e a resolução de crises em empresas startups ou privadas no setor público. 
Os profissionais, chamados de peritos forenses digitaisé uma área pouco conhecida no Brasil- e que precisa de uma demanda muito grande de funcionários -, porém de muita importância, que está no mercado há mais de 40 anos. 
Para atuar na área, a especialização- que é um grande diferencial- faz o requerimento de alguns entendimentos:

  • profunda capacidade de observação;
  • atenção aos detalhes;
  • afinidade com tecnologias;
  • perfil multidisciplinar;
  • raciocínio lógico;
  • tranquilidade e persistência;
  • inglês avançado;
  • boa habilidade de comunicação oral e escrita.

Além de tudo, o perito, com formação profissional, faz coleta de evidências digitais à partir de análise dos equipamentos, buscas por materiais da infração, a preservação de provas, e a reunião de informações que podem ser unificadas em juízo. Para uma atuação de qualidade, vale apostar na pós-graduação em Defesa Cibernética.

      7. Inteligência Artificial (IA

Com a revolução do mundo digital nos dias de hoje, os serviços estão sendo aprimorados toda hora, como bancos sendo digitalizados, começaram a ser criados carros autônomos e consultas médicas podem ser feitas à partir de históricos virtuais, onde robôs ajudam a tomar decisões. Ou seja, a Inteligência Artificial está mudando a maneira que trabalhamos, nos comunicamos e vivemos.
Pode-se ser citado chatboots– atendentes que simulam/interagem no formato digital-, além de aplicativos de entrega de pedidos, mobilidade e streaming, fazendo com que todos tenham a impressão de que o mercado consumidor pareça “adivinhar” os desejos das pessoas, o horário que eles gostariam de comer, se é preciso o aluguel de uma bicicleta, ou até mesmo os lançamentos de cinema.
Artificial Intelligence (Inteligência Artificial) é entendida como uma inteligência que permite as máquinas aprenderem a realizar funções parecidas com as desempenhadas por humanos, de uma forma autônoma. Quando a IA simula uma inteligência como um humano, é processado bases de padrões registrados bancos de dados como, Machine Learning e Deep Learning.
Mas pode ficar despreocupado, a IA não irá substituir os humanos, apenas fazer uma seleção mais complexa sobre aqueles profissionais com habilidades específicas, que irão se destacar no mercado de trabalho. 
A atuação na área deve conter profissionais capazes de entender:

  • capacidade analítica;
  • habilidades de comunicação;
  • pensamento crítico;
  • técnicas de negociação;
  • criatividade;
  • inteligência emocional;
  • gestão de pessoas;
  • pensamento crítico.

Ao explorar habilidades similares às humanas, o campo da Inteligência Artificial vem transformando tanto a nossa vivência quanto a nossa forma de trabalhar. Por isso é interessante, para quem gostaria de atuar na área, apostar em uma pós-graduação em Artificial Intelligence.

      8. Engenharia Robótica

Quando se fala em transformação digital, logo vem na cabeça a Robótica Industrial, que é uma área com alto potencial de empregabilidade. Como a substituição do homem pela máquina está crescendo mais a cada dia, a robótica é um campo promissor de se estudar, já que a automação cresceu bastante no Brasil de 2017 para cá.
A robótica industrial apresenta um lugar importante na área da tecnologia, sendo entendida como a “tarefa que os robôs fazem no chão da fábrica” como, a capacidade de manipulação de produtos de uma  forma mais rápida, a delicadeza para realizar ações de pegar e mover, a inspeção de produtos, os testes de processos e o encaixotamento de grandes produtos. Tudo isso com uma velocidade maior, além de precisão e continuidade.
O robotista- também chamado de maestro da indústria 4.0 -, é responsável pela programação dos  robôs, pela manutenção/desenvolvimento de novas habilidades voltadas para a produção de softwaressistemas de automação, além de acompanhas processos/qualidade das funções, para ter certeza que a máquina está pronta para operar com segurança.
Existem certas habilidades que o profissional precisa entender para atuar na área;

  • curiosidade;
  • interesse em tecnologia;
  • afinidade com matemática;
  • noções de física (possuir pode ser um grande diferencial competitivo);
  • criatividade; 
  • aptidão com tecnologia;
  • noções de programação.

Profissionais que se especializam na área, conseguem se destacar ao atuarem diretamente com a automação de tarefas, como é visto na indústria automotiva e em outras linhas de montagem. Por isso, é interessante apostar em uma pós-graduação na área de Engenharia Robótica.
Como vimos até aqui, especializar-se é fundamental e o mercado exige cada vez mais capacitação do profissional. Nesse sentido, os cursos lato sensu trazem uma visão diferenciada ao futuro especialista, que aprende diferentes disciplinas dentro de um mesmo contexto. Portanto, é importante estar sempre atento às demandas e especializações em TI.
Quer saber mais sobre o assunto? Então, aproveite a visita ao blog e baixe agora mesmo o nosso guia para começar a carreira em TI. E não esqueça de deixar um comentário se o post foi útil para você ou se ficou alguma dúvida!

18 Comentários

  1. maria eugenia disse:

    será que vocês poderiam me informar escolas no Rio de Janeiro que tenham cursos de tecnologia?

  2. Everton disse:

    Estou buscando cursos na área. Moro em são Paulo. Pode me passar os preços , horários, condições

    • Redação Impacta disse:

      Olá, Everton! Que bom saber da sua vontade em aprender sobre TI. Aqui na Impacta temos diversos treinamentos na área, com turmas noturnas, diurnas, aos sábados e também aos domingos e as condições estão imperdíveis no mês da Black November! Um de nossos consultores educacionais entrará em contato contigo para te ajudar na escolha dos melhores cursos pra sua carreira!

  3. Eduardo disse:

    Olá, desculpe pelo incômodo, mas queria saber se vale a pena fazer sistemas de informação, mesmo morando no Nordeste. Agradecido pelo post.

    • Redação Impacta disse:

      Olá, Eduardo! Com certeza vale a pena, sim. A área de tecnologia está cada vez mais em alta e as oportunidades tendem a crescer em todo o Brasil. Temos certeza que existem diversas boas opções de Graduação Presencial nos estados do Nordeste, mas sempre há também a possibilidade de cursar a distância. Aqui na Faculdade Impacta, por exemplo, temos a Graduação em Análise e Desenvolvimento de Sistemas EAD, permitindo a formação de qualidade de onde você quiser! Abraços.

  4. Ricardo F Bragança Filho disse:

    Quero aprender tudo de TI, o mundo está e precisa da Ti!

    • Redação Impacta disse:

      Olá, Ricardo! Que bom saber do seu interesse, conte com a gente para te ajudar nesse jornada, além dos nossos artigos e e-books, temos cursos que podem ser muito úteis pra você! Boa sorte e bons estudos!

  5. Muito Legal, parabéns pelo conteúdo!

  6. Gostaria de saber sobre o curso de pós graduação em Cientista de Dados na cidade de Salvador.

    • Redação Impacta disse:

      Olá, Thiago! Infelizmente não temos esse curso em EAD e a Faculdade Impacta fica um São Paulo. De qualquer forma, assim que tivermos novidades, você será o primeiro a saber. Até mais!

  7. Nathan Hugo disse:

    Ciência de Dados é apenas para TI,se eu fosse graduado na área de Engenharia de Produção podeira ir para Ciência de dados.

  8. costa mario disse:

    Bom dia sou lecenciado e engenharia informatica com abilidade de telcomunicacoes gostaria de der uma bolsa de especializacao pós-graduação em Artificial Intelligence.
    Sou um funcionario de IT na universidade Lurio

    • Redação Impacta disse:

      Bom dia, Mario!
      Que legal o seu interesse em continuar se especializando.
      Temos algumas condições especiais em Pós-graduação e MBA, você gostaria que entrássemos em contato para explicar sobre essas informações?

  9. rafael disse:

    sou formado análise de sistemas posso fazer pós em Engenharia de produção

  10. Sandra Cibin disse:

    Fiz análise de sistemas e me formei em 2004. Não trabalho na área e não fiz mais nenhuma atividade ligada. Tenho intenção de me aperfeiçoar. Qual especialização poderia fazer?

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!