9 Fatos que mostram o tamanho das buscas no Google

É muito provável que você faça buscas no Google praticamente todos os dias, não é mesmo? Veja esses fatos que mostram o tamanho do mecanismo de pesquisa.(...)

Autor: Redação Impacta

Já faz um tempo que o Google deixou de ser apenas um site de buscas onde as pessoas procuram informações na web. A empresa passou a ser uma das maiores criadoras de serviços e soluções de tecnologia, atuando em diversas áreas de negócios e de marketing, mas sem deixar de ter no mecanismo de pesquisas o seu carro-chefe.

As buscas no Google ainda são muito importantes tanto para os usuários – que querem ter suas dúvidas rapidamente respondidas – quanto para os sites e páginas – que desejam aparecer nos primeiros resultados. Não à toa, a gigante está sempre fazendo atualizações e melhorias em seu sistema para mostrar os melhores resultados em SEO.

Para mostrar a importância e as incríveis quantidades de informações processadas pelo Google, separamos alguns fatos. 

Confira 9 fatos que comprovam o tamanho das buscas no Google:

  1. No ano em que o Google oficialmente foi lançado, 1998, os usuários faziam cerca de 500 mil pesquisas por dia. Em 2019 já são em média 77,440 mil pesquisas por segundo e foram feitas mais de 3,5 bilhões de buscas no Google em apenas 1 dia, segundo o Internet Live Stats.
  2. São pelo menos 2 trilhões de pesquisas feitas por ano, de acordo com o Android Police.
  3. Para cada uma dessas buscas, o sistema do Google analisa até 200 fatores diferentes para te entregar o melhor resultado no ranking. Tudo isso em um tempo médio de 1/8 de segundo.
  4. O Google é tão importante para os usuários e para a web, que quando a gigante ficou fora do ar por apenas 5 minutos em 2013, o tráfego global na internet caiu em 40%.Foi quase um “efeito Thanos” na web, não é mesmo?
  5. O sistema de indexação e pesquisa do Google tem mais de 100 milhões de gigabytes em dados. Para se ter uma ideia, seriam necessários mais de 100 mil dispositivos de um terabyte para conter a mesma quantidade de dados.
  6. Segundo a empresa, 69% dos usuários do Chrome fazem as buscas direto do navegador, sem precisar acessar o endereço “Google.com”. Apesar disso, ela também possui domínios que são erros comuns de digitação dos usuários.
    Alguns exemplos são: “Gooogle.com”, “Gogle.com”, “Googlr.com” e até mesmo o “466453.com”.
  7. O Google cria produtos e serviços que impactam e solucionam problemas de milhões de pessoas no mundo. Porém, a empresa também tem projetos importantes para grupos de minorias. Um exemplo disso é o fato da equipe de internacionalização do Google ter gasto mais de quatro anos para adicionar o idioma Cherokee no serviço de buscas, além do Gmail, Android e nos Chromebooks – os notebooks da empresa.
  8. O Google está sempre se atualizando e acompanhando os avanços da tecnologia. São aproximadamente entre 500 e 600 alterações em seu algoritmo do mecanismo de busca por ano, segundo o Moz.
  9. Quer saber tudo o que você já pesquisou no Google com a sua conta? Isso é possível, desde que você não tenha desativado a função de histórico. Basta visitar a página Google.com/history para ver todas as buscas que você já realizou.

E aí, gostou dos dados? Tem mais alguns para compartilhar? Deixe nos comentários!

Não deixe também de conferir o nosso artigo que explica a importância do SEO para reduzir custos e atrais mais visitantes!

10 Comentários

  1. Wagner Ferreira Macriani disse:

    Todo este “gigantismo” do Google, por sua vez, provoca inevitáveis contratempos e entre alguns destes, a facilidade para a consulta de um “tópico simples” e a dificuldade em obter uma resposta simples e da mesma forma, na hipótese de uma consulta mais sofisticada e a necessidade de uma resposta rápida, “esbarram” em um volume imenso de links, na maioria das vezes mal-direcionados e equivocados que prolongam pesadamente as pesquisas mais elaboradas. Seria interessante algum tipo de estatística, sobre o numero aproximado de sites efetivamente “no ar” e aqueles que possuam conteúdo com utilidades definidas e validas. Se o “caso do momento” for a necessidade de uma pesquisa realmente consistente, a “velha Biblioteca” suponho seja a opção eleita, sem descartar no Google a utilíssima vantagem de uma atualização constante, pelo menos em Áreas de Conhecimentos vitais para o Progresso Humano.

  2. Willian disse:

    O Google é inevitável e inapagável, então o melhor é adaptar-se a ele e investir em SEO para não ficar para trás.
    Ótimo artigo!

  3. Regina Zandomênico disse:

    Olá pessoal, os dados que vocês apresentam sobre o numero de buscas no Google são bem interessantes, mas senti falta da informação da fonte que eles foram pesquisados. É uma pesquisa do IBGE ou do próprio Google, por exemplo? Acredito que a divulgação da fonte dá mais credibilidade às informações.

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!