6 lições de líderes da área de gestão sobre modelos de negócios

Nada melhor para aprender e se inspirar do que os concelhos e histórias de grandes líderes, não é mesmo? Confira o que esses mestres da gestão indicam!(...)

Autor: Redação Impacta

No mercado empresarial, toneladas de muito suor e trabalho duro, um pouco de sorte, visão estratégica e tempo separam um avanço singelo de um sucesso retumbante. Isso porque chegar ao topo é uma jornada longa, que não se faz da noite para o dia.

A boa notícia? É possível tomar alguns atalhos. Como? Prestando atenção ao que os profissionais bem-sucedidos têm a dizer. Afinal de contas, eles já calçaram os seus sapatos, isto é, já estiveram na situação em que você está hoje.

Quer saber mais? Veja neste post seis dicas incríveis de gestores consagrados sobre modelos de negócios. Impulsione sua carreira em 2018!

1. Saiba agir com antecedência

O diretor-executivo (Chief Executive Officer – CEO) Josh Manion, da Ensighten, empresa norte-americana de soluções de alta tecnologia para o setor de marketing, afirma que é preciso antecipar-se aos problemas para ser vitorioso. “Ganhar exige que você trate as dificuldades com bastante antecedência, porque cada pequeno movimento tem um peso enorme na jornada.”

Ele propõe uma medida inusitada: aprender xadrez. “Para mim, o xadrez foi fundamental para conseguir o rigor necessário para lidar com a carreira e a vida. Ninguém precisa ser um campeão, mas pode aplicar esse foco para estimular o pensamento crítico. A gestão do tempo é fundamental tanto no xadrez quanto nas relações comerciais.”

Bill Gates, aclamado mundialmente ao popularizar os computadores pessoais por meio da Microsoft, aconselha que os comandantes tenham uma postura visionária. Ele mesmo fez previsões incríveis como o nascimento do e-commerce, dos smartphones e das redes sociais.

“Para conseguir isso, é vital conhecer e entender todos os processos de uma empresa. Desse modo, o CEO estará sempre bem informado, perto de seus funcionários e por dentro de tudo que se passa no seu segmento.”

2. Conheça a importância da tecnologia na competitividade

Vincent Mifsud, CEO da ScribbleLive, aconselha que as empresas invistam em novidades cibernéticas, mas de forma racional e sem desperdícios.

“Muitas startups queimam o dinheiro excessivamente. É fundamental investir para impulsionar o crescimento, mas, quando uma equipe se acostuma a uma cultura de gastos, fica difícil reverter essa situação. Aprenda com as empresas de inteligência computacional que faliram ou quase fecharam suas portas nos anos 90.”

Outra indicação dele é que as decisões sejam sempre calcadas em fatos. “Permaneça focado em seus investimentos, principalmente no marketing. Aposte em conteúdo e use as ferramentas adequadas para garantir que esteja tomando decisões com base em dados concretos.”

O consultor de gestão e capital de risco Peter S. Cohan dá uma recomendação específica para mercados amplos, que tenham muitos consumidores, mas também muitos concorrentes: tentar oferecer a mercadoria mais barata com a melhor qualidade possível.

“Para crescer e expandir a linha de produtos, é crucial investir em linguagens de programação, acelerar o tempo de resposta ao cliente, reduzir os desperdícios nas operações e, por fim, entregar os melhores produtos com os menores preços.”

Ele exemplifica sua linha de raciocínio citando a Amazon. “Essa organização fez crescer suas receitas a uma taxa anual média de 27% na última década, com uma margem de lucro mínima, de 0,37%, ganhando na quantidade.”

Aprenda com líderes da área de gestão

3. Esteja por dentro da Indústria 4.0

Uma importante advertência dos especialistas é acompanhar a evolução da chamada Indústria 4.0, também conhecida como a quarta revolução industrial. Você sabe o que ela significa?

É uma definição inovadora que envolve a aplicação de soluções de informática na automação, no gerenciamento dos dados, no processo de fabricação dos produtos e afins. A Indústria 4.0 engloba a inteligência artificial (IA), a internet das coisas (Internet of Things – IoT), o big data analytics e outras novidades que não param de surgir.

Cohan preconiza a utilização de soluções de tecnologia para aperfeiçoar as condições de compra. Em sites ou aplicativos de comércio on-line, como o eBay, é fácil encontrar um número enorme de produtos e clientes, o que ajuda na redução de custos. “Essas estratégias dão aos vendedores uma gama mais ampla de compradores e vice-versa.”

Outra orientação desse especialista é aproveitar as novidades tecnológicas, como a economia compartilhada, para refinar resultados positivos. Imagine que uma empresa tenha uma frota de carros que fique ociosa 10 dias por mês. Suponha que, na mesma cidade, um grupo de estudantes precise de um veículo por esse mesmo período.

A empresa adere a aplicativos específicos para encontrar interessados nesse bem disponível. “É a ideia por trás de modelos de negócios pessoa a pessoa, que vem funcionando muito bem para a Airbnb. Com um quarto de bilhão em receita, ela foi recentemente avaliada em mais de US$ 10 bilhões.”

Com a IA, há grandes chances de, no futuro, os sistemas aprenderem a fazer adaptações de forma independente. O objetivo é criar dispositivos inteligentes como robôs e veículos autônomos. Um estudo da International Data Corporation (IDC) aponta que os investimentos na adoção de IA alcançarão US$ 47 bilhões em 2020.

Já a IoT é uma interligação entre programas eletrônicos que coletam e administram dados e equipamentos físicos. Por isso, ela tem um papel muito importante no que vai acontecer daqui para a frente em termos de Indústria 4.0.

Monitorar os progressos das estruturas de big data analytics — que armazenam e interpretam um extenso volume de dados — também será fundamental para os profissionais de sucesso.

4. Inove com atitudes simples

Outra sugestão de Cohan pode ajudar a inovar de maneira fácil e barata: os leilões reversos. Neles, os compradores que sofrem com a oscilação de preços de insumos estratégicos em suas cadeias produtivas se reúnem — geralmente em uma plataforma tecnológica — e estabelecem um preço máximo para um produto ou um serviço.

Os vendedores que aceitam esse montante podem impor alguns detalhes no processo de compra, como a forma de entrega ou o prazo. O consumidor, por sua vez, concorda com essas condições em troca de um preço mais vantajoso.

“Esse é o serviço que a Priceline oferece aos viajantes desesperados e sensíveis ao preço que desistem da conveniência e do conforto por um valor mais baixo. Essa empresa conseguiu um aumento médio de 46% em suas ações na última década.”

5. Tenha iniciativa para procurar as críticas

Mais do que saber ouvir as críticas, é indispensável ser proativo e procurar por elas, aconselha o CEO da Tesla, Elon Musk. Segundo ele, os bons líderes devem deixar os subordinados à vontade para manifestarem suas opiniões.

O retorno analítico, além de aceito, tem de ser buscado. “Tome o máximo de comentários que puder. Procure o feedback crítico. Muitas vezes, você tem de extrair [o que está errado] das pessoas de forma discreta. Muitos não gostam de apontar as falhas, mas esse processo fortalecerá a empresa.”

Musk diz, no entanto, que isso não significa que o gestor deva sempre concordar com os outros. Essas reações, porém, servirão de base para as próximas tomadas de decisão.

6. Vista a camisa do seu time

Steve Jobs, cofundador da Apple e falecido em 2011, deixou uma valiosa pista do que os dirigentes esperam dos bons profissionais. Competência e inteligência eram consideradas por ele qualidades fundamentais. Como diferencial, porém, o amor ao trabalho e à empresa eram decisivos em uma contratação. Ou seja: é crucial “vestir a camisa”.

“Quando eu contrato alguém, ele precisa ser inteligente, mas a verdadeira questão é: ele vai se apaixonar pela Apple? Porque quem ama a empresa vai querer fazer o melhor para ela, não o que é melhor para ele, ou o que é melhor para Steve ou o que é melhor para qualquer outra pessoa.”

Os modelos de negócios, portanto, estão diretamente relacionados aos avanços tecnológicos, independentemente do segmento. Para avançar na carreira, é essencial acrescentar habilidades ao talento de forma prática, com treinamentos rápidos e eficientes.

Dessa forma, o indivíduo tem muito mais chance de ser promovido e, finalmente, conquistar a independência financeira. O que achou deste post? Quer saber mais? Então assine a nossa newsletter! Esperamos por você!

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!