Você sabe como funciona o reconhecimento facial?

O reconhecimento facial não é mais uma tecnologia vista apenas em filmes de ficção científica. Hoje, dispositivos e sistemas de segurança contam com (...)

Autor: Lucas Gomes

Vivemos em uma era em que os avanços tecnológicos têm ocorrido mais rápido do que nunca. Com um ritmo constante de atualizações, diversas tecnologias se popularizaram e foram integradas à rotina das pessoas — como a inteligência artificial e os sistemas em nuvem, que têm sido ótimas ferramentas para alcançar o sucesso profissional.
Apesar de serem bastante utilizadas, ainda é comum ter dúvidas sobre conceitos relacionados ao Big Data, às aplicações do machine learning, ou até mesmo como funciona o reconhecimento facial — que é uma das questões que responderemos aqui.
O reconhecimento facial não é mais uma tecnologia vista apenas em filmes de ficção científica. Hoje, dispositivos e sistemas de segurança contam com esse recurso, que promete facilitar rotinas em diversos cenários.
Assim, nas próximas linhas, explicaremos com mais detalhes o que é essa tecnologia, o seu funcionamento e quais são as principais aplicações dela. Quer saber mais sobre tudo isso? Então, venha com a gente e confira o que preparamos para você!

O que é o reconhecimento facial?

De forma sucinta, o reconhecimento facial é uma maneira de identificar rostos humanos em imagens por meio de técnicas digitais. É um recurso baseado em sistemas de Inteligência Artificial — que são responsáveis pelo cruzamento de dados e detecção de padrões para garantir que o rosto detectado é de determinada pessoa.
Apesar da semelhança, é importante ressaltar que essa tecnologia não é equivalente à detecção facial. Enquanto o reconhecimento facial identifica usuários, a detecção apenas identifica rostos em imagens, não importando de quem sejam. Entretanto, ambas as tecnologias contam com a ajuda da Inteligência Artificial nesse processo.
Exemplos de uso da detecção facial podem ser encontrados no Facebook — quando o usuário recebe sugestões para marcar amigos em suas fotos — ou, ainda, ao abrir a câmera frontal de um smartphone. Nos dois casos, é possível notar um quadrado em volta dos rostos, sugerindo locais para marcação ou informando prioridades de foco, por exemplo.
Enquanto isso, o reconhecimento facial faz a tarefa da detecção e vai além: é capaz de identificar pontos no rosto que permitam ao sistema fazer distinção entre um usuário e outro.
Essa tecnologia existe há alguns anos, mas somente agora começou a ganhar espaço e ser implementada em bancos e outros serviços que demandem reforço na segurança ou, simplesmente, busquem facilitar o acesso do usuário.

Como esse sistema funciona?

Para que um sistema de reconhecimento facial consiga identificar o rosto de um usuário, diversas técnicas são aplicadas em um curto espaço de tempo. Apesar de poderem contar com diversos passos específicos — a depender da finalidade do software —, os sistemas de Inteligência Artificial seguem uma ordem parecida.

Identificação e processamento do rosto

Tudo começa com a detecção do rosto do usuário. Nas imagens recebidas, o sistema verifica se há um ou mais rostos e onde eles estão.
Após isso, vem a fase de pré-processamento. Ao detectar o rosto do usuário, é preciso converter os dados em um formato monolítico normalizado, isto é, padronizar aspectos como a resolução, os níveis de brilho, zoom e orientação das imagens.
Tudo isso é a ponte para o processo de extração dos recursos. Nessa etapa, o software extrai as informações de que precisa, identificando os bits de dados relevantes e ignorando o que não for necessário — o ruído, por exemplo. Essa fase também é conhecida como codificação.

Reconhecimento facial

Depois de identificar o rosto e codificá-lo, a Inteligência Artificial inicia o processo de correspondência dos dados, que são exclusivos para cada usuário. A técnica que norteia essa etapa é conhecida como classificação de objetos e, aqui, é comum encontrar referências ao uso de tecnologias como o Machine Learning.
Vale ressaltar, é claro, que essa é uma versão bastante simplificada de como um sistema de reconhecimento facial trabalha. Cada uma das etapas mencionadas — tanto no processamento quanto na identificação — contam com passos adicionais, normalmente, para tornar a verificação mais precisa e, consequentemente, mais segura.
Além disso, durante todas essas etapas, existem problemas a serem considerados, que nem sempre são fáceis. Esse é o caso de questões como a baixa iluminação do ambiente, o uso de óculos, barba e acessórios que cubram parcialmente o rosto, a resolução da imagem ou, até mesmo, a idade do usuário.
Aspectos como esses são responsáveis por moldar o processo de reconhecimento, tornando necessária a adição de funções específicas para superar esses desafios.

Quais as principais aplicações do reconhecimento facial?

Soluções de reconhecimento facial podem ser utilizadas para diversos fins. A seguir, mencionamos os principais deles.

Aumentar a segurança

O reconhecimento facial é um sistema que pode ser utilizado para melhorar a segurança de ambientes onde somente pessoas autorizadas podem ter acesso. Esse é um dos tipos mais comuns de aplicação da tecnologia e facilita a rotina em grandes centros comerciais, indústrias e condomínios.
Além disso, no intraempreendedorismo, essa é uma tecnologia que pode ser bastante útil, considerando a maior autonomia dos colaboradores.

Reconhecer suspeitos em estabelecimentos

Ainda que existam diversas discussões a respeito da privacidade dos cidadãos, é fato que, tecnicamente, o reconhecimento facial também pode ser utilizado em locais públicos para, por exemplo, reconhecer suspeitos em estabelecimentos.
Assim, por meio de uma fiscalização eficiente e leis adequadas, é possível utilizar a tecnologia para evitar crimes em espaços públicos e privados, além de facilitar a identificação dos autores.

Facilitar acessos

O acesso a dispositivos é um dos exemplos mais populares do uso de reconhecimento facial. Em vez de digitar uma senha, o usuário pode simplesmente olhar para o smartphone, que fará o reconhecimento quase instantaneamente.
Hoje, essa tecnologia pode ser encontrada em smartphones como o iPhone X e o Galaxy S10. Vale lembrar, é claro, que antes, é preciso configurar o aparelho para reconhecer o rosto do usuário.

Impedir acidentes

Uma utilidade do reconhecimento facial, que talvez fuja do que muitos estão habituados, é na prevenção de acidentes em rodovias. De acordo com uma pesquisa conduzida pela Academia Brasileira de Neurologia, a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego e o Conselho Regional de Medicina, mais de 20% dos motoristas entrevistados costumam dirigir com sono. Destes, 40% relataram já terem causado acidentes por conta disso.
Por meio da tecnologia de reconhecimento facial, essa taxa poderia ser reduzida, já que é possível detectar expressões faciais que indiquem cansaço ou sono para evitar que o motorista durma ao volante. A técnica funciona por meio do monitoramento de movimentos da cabeça e dos olhos e é capaz de alertar o condutor, antes que ele adormeça.

Quais os desafios a superar?

Apesar das notáveis vantagens, o reconhecimento facial ainda é uma tecnologia que requer aprimoramento e discussões para o uso em situações específicas. De acordo com Timnit Gebru, cientista da computação do Google, sistemas como esse ainda têm certa dificuldade em fazer um reconhecimento eficiente de pessoas com tons de pele mais escuros.
Além disso, existe a discussão sobre o quão precisa essa tecnologia deve ser para o caso de ser implementada em sistemas de segurança pública. Afinal, a identificação errada de um suspeito pode ter consequências irreversíveis.
Apesar disso, as buscas por melhorias têm sido constantes, de forma que, em um futuro próximo, essa tecnologia poderá se tornar ainda mais eficiente do que temos visto até então.
Compreendeu como funciona o reconhecimento facial? Então, compartilhe este post agora mesmo nas suas redes sociais e ajude seus seguidores e amigos a entender melhor essa tecnologia!

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!