Perícia forense digital: o que faz o profissional da área?

Na área de segurança da informação, um profissional se torna ainda mais importante: o especialista em Perícia forense digital. Saiba tudo!

Autor: Jéssica Lima

Quando o assunto é segurança virtual, a população e os empresários brasileiros têm motivos de sobra para se preocupar. Pesquisas apontam que o país ocupa os primeiros lugares em termos de crimes cibernéticos. Isso acontece porque ameaças como phishing, malware, spams, ransomwares e bots estão crescendo e colocando em risco a segurança da informação.
Paralelamente, crimes e fraudes cibernéticas podem gerar o caos e prejudicar a segurança de grandes corporações e do governo. O impacto na vida do usuário também é indiscutível — e é percebido em casos que vão desde clonagens de cartões até o roubo de senhas e dados pessoais. Por essa razão, cresce a importância da perícia forense digital, até mesmo como uma opção para recolocação profissional.
Já pensou em atuar com perícia forense digital? Preparamos este conteúdo para que você conheça essa área promissora e entenda como é a rotina do profissional que está no segmento da Defesa Cibernética e Segurança da informação.

O que é a perícia forense digital?

O campo da perícia forense digital abrange a investigação científica de crimes e ataques digitais, seguida pela recuperação de dados. É parte do trabalho preservar as evidências para identificar a fonte do crime, contribuindo para a aplicação das leis e respectivas punições existentes no país em questão.
Em outras palavras, o perito forense digital é acionado quando acontece um ataque virtual de qualquer estilo ou magnitude. Por meio de suas habilidades e conhecimentos, ele contribui (em um trabalho isolado ou em equipe) para que o responsável pela invasão seja encontrado. Isso é feito por meio de rastreamento e coleta de evidências digitais a serem analisadas.

Entenda como surgiu

A perícia forense digital surgiu simultaneamente aos avanços tecnológicos que transformaram os computadores em ferramentas de trabalho, de comunicação e de armazenamento de dados.
Com o aumento do número de fraudes virtuais, crimes digitais e outras formas de invasão, fez-se necessário o desenvolvimento das capacidades de um tipo de profissional. Ele reúne habilidades que contribuem para a identificação de perigos e a resolução de crises tanto em startups e empresas privadas quanto no setor público.
Apesar de ser uma área pouco conhecida no Brasil, a perícia forense digital — ou computação forense — surgiu há mais de 40 anos. No entanto, o campo atualmente demanda um volume maior de profissionais. Tudo isso está ligado à disseminação da transformação digital e ao Big Data
As máquinas passaram a armazenar um crescente volume de informações que têm grande valor e que podem sofrer ataques. E é justamente esse campo que será analisado pelo perito digital.

O que faz um perito forense digital?

O perito forense digital realiza investigações por meio da coleta de dados em busca da identificação da origem de crimes digitais. Para isso, ele aplica toda a sua bagagem multidisciplinar para realizar uma varredura em dispositivos tecnológicos. 
A coleta de dados que contribui para a investigação acontece de maneira neutra, preservando evidências e permitindo que os materiais sejam utilizados em juízo.
As técnicas aplicadas na perícia forense digital variam de acordo com o caso. Por isso, a decisão sobre a melhor forma de rastrear um criminoso virtual cabe ao profissional, que deve utilizar todas as suas habilidades para conseguir indicar qual a origem de um possível problema.
Em resumo, o perito forense digital:

  • realiza a análise de ambientes digitais;
  • busca por potenciais riscos ou fragilidades;
  • detecta fraudes e invasões;
  • refaz a trajetória da fraude;
  • coleta evidências sem comprometer as provas;
  • compartilha as informações com as autoridades responsáveis pela investigação criminal.

Como se preparar para atuar na área?

Para atuar como um perito digital e rastrear os crimes cibernéticos, é necessário ter algumas habilidades profissionais desejadas pelas empresas como:

  • profunda capacidade de observação;
  • atenção aos detalhes;
  • afinidade com tecnologias;
  • perfil multidisciplinar;
  • raciocínio lógico;
  • tranquilidade e persistência;
  • inglês avançado;
  • boa habilidade de comunicação oral e escrita.

O mercado também reconhece uma formação superior na área como grande diferencial, além de algumas habilidades adicionais. Afinal, empresas buscam por profissionais com conhecimentos em Data Science e outras esferas específicas.
Por ser um trabalho que está diretamente ligado à coleta de evidências e ao rastreamento de problemas, o profissional se destaca quando consegue manter a serenidade nos momentos de tensão.
Com uma rotina que tem pouca previsibilidade, o perito forense digital pode encarar longos períodos de estabilidade e ser surpreendido por graves crises.
Para se preparar, então, a pessoa que quer seguir a carreira de perito computacional deve investir nas aulas de inglês e desenvolver a capacidade de comunicação (que deve ser clara e concisa). Também é uma vantagem se manter continuamente atualizado quanto às mudanças, tendências e possibilidades do campo da tecnologia.
Outros conhecimentos específicos podem variar de acordo com o campo de atuação. Mas entender sobre Machine Learning é interessante para o profissional da tecnologia da informação. No mais, o perito forense digital pode trabalhar com consultorias, mas também no modelo CLT.
Ter noções claras e mais detalhadas das responsabilidades do perito digital contribui para uma escolha acertada na hora de seguir carreira.

Atribuições e responsabilidades da área

No combate de crimes cibernéticos, a perícia forense digital é acionada para rastrear e auxiliar na coleta de evidências que possam indicar que houve um crime e quem foi seu autor. Com o auxílio de computadores e técnicas avançadas de investigação, o profissional utiliza os seus conhecimentos para identificar a autoria e as características da infração.
As responsabilidades do perito forense digital incluem quatro importantes passos:

  1. coletar evidências digitais por meio da análise de equipamentos;
  2. buscar provas materiais da infração;
  3. preservar as provas;
  4. reunir informações que possam ser validadas em juízo.

Combater crimes eletrônicos e auxiliar na identificação dos culpados é parte da rotina do profissional que atua com perícia forense digital. Ao rastrear invasões e outras técnicas de crimes cibernéticos, o profissional contribui ativamente com o processo investigativo. Examinar rastros e buscar falhas torna o campo necessário para a segurança da informação e é mais do que uma tendência do mercado da tecnologia.
Quer saber mais sobre a perícia forense digital e se especializar na área? Entre em contato conosco! Estamos à disposição para esclarecer as suas dúvidas.

2 Comentários

  1. Marcelo G M D Costa disse:

    Queria saber mais informações e valores do curso Já fiz curso na Impacta

    • Redação Impacta disse:

      Olá, Marcelo! Muito bom saber do seu interesse em continuar aprendendo com a gente; Sobre a sua dúvida, um de nossos consultores educacionais entrará em contato para tirar todas as dúvidas, OK? Até mais!

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!