O que é o Motion Design?

Motion Design se baseia em uma técnica de fazer animações que possuem movimento, existindo uma nova forma de Design Gráfico chamada Motion Graphics, (...)

Autor: Lazaro Lucio

Por Lazaro Lucio,      
O fascínio das formas, cores e sons capturam a atenção do ser humano há muito tempo, o que começou a gerar desejos de reproduzir experiências, sendo as mesmas representadas em vários tipos de arte, contando histórias de seus relacionamentos pessoais ou de negócios. Com isso, é possível fazer a apresentação de acontecimentos por meio de ilustrações.
É fato que a humanidade sempre procurou retratar conhecimentos e ideias através da arte, e se for acrescentada formas e cores, esse “poder” aumenta; acrescente-se a isso tudo, o som, e o poder de encantamento estará completo.
Em 1950 a indústria começou a animar os títulos dos filmes, estabelecendo uma nova forma de Design Gráfico chamada Motion Graphics. O conceito é utilizar gráficos e animações para estabelecer a comunicação.

   Os personagens dessa história

Muitos artistas e inventores já passaram pela história para dar avanços significativos na indústria do entretenimento.
Nomes como o do fotógrafo inglês Edward Muybridge, que fez experimentos usando múltiplas câmeras para captar movimento, com efeitos especiais de Motion Design de George Méliès, o animador Norman McLaren com suas animações artísticas e o designer industrial Saul Bass, com o desenvolvimento dos doze princípios de animação feito pelos estúdios Disney.
Esses desenvolvimentos aconteceram por conta do avanço das artes e tendências de música, poesia, escultura, pintura e design gráfico, levando muitas contribuições para o enriquecimento do Motion Design.

   A abrangência do Motion Design

Contar histórias é uma maneira importante de manter uma cultura, transmitir uma ideia, vender um produto, mudar conceitos e muito mais.
 Porém, contar histórias através da arte, abrange muito mais a experiência das pessoas pois ilustra, com sons e imagens, aquilo que palavras podem limitar, principalmente se a ideia precisa ser mostrada de um jeito específico, com as cores certas ou com alguma intensidade necessária para a compreensão do expectador.
É por conta desses detalhes que o cinema sempre presta muita atenção com os movimentos, cenário, trilha sonora, caracteres e cores, por conta da harmonia dos itens darem força para uma comunicação eficaz, desde a apresentação de abertura de um filme.
A abertura de Psicose de Hitchcock é um exemplo de um dos primeiros designs de movimento (Motion Graphics). A sequência de títulos para filmes como True Detective e Stranger Things são exemplos importantes dessa forma eficiente de comunicação.
O design de movimento é amplamente usado nas propagandas de TV e em outros meios de comunicação, para enriquecer os benefícios de um produto, podendo ser apresentado de diversas formas. Outra grande indústria que faz uso dessa ferramenta de Motion Design, é a musical, com imagens de vídeo e recursos 3D e 2D.
O Motion Design marca presença também nos sites, visando acrescentar movimento e dinamismo ao composto visual das páginas web. Isso faz com que a presença do visitante seja prolongada, mas claro, com moderação: os movimentos de imagens e textos tem que ser usados com cuidado e muito estudo, para que seja funcional.
Uma campanha de Marketing é outro exemplo do envolvimento com o Motion Design, estando presente para dar mais oportunidades de transmissão de ideias importantes em vários processos da campanha, a partir das grandes possibilidades que o Motion Graphics permite.

   Ferramentas para a criação de Motion Design

As ferramentas mais utilizadas no Motion Graphics são After Effects, Photoshop e Illustrator. Com esses programas é possível fazer a construção do design com imagens vetoriais ou bitmap, criando a arte (cena) necessária para o objeto proposto. 
O After Effects é uma ferramenta muito rica em opções de animação. Nele pode ser construído movimentos variados, aplicar efeitos complexos, vídeos e sons, o que torna o projeto mais atraente e dinâmico.
Quando a ideia e a arte já está pronta, elas são importadas para o After Effects para, assim, implementar os movimentos dos “personagens” em cena.
Caso queira se aprofundar nas opções de imagem e no desenvolvimento de uma linha de pré-produção da animação, é possível acrescentar ferramentas como o Cinema 4D e o Premiere. O primeiro é um programa que trabalha integrado com o After Effects, possibilitando adicionar elementos 3D no projeto de animação, mudando a arte e aumentando a transmissão da ideia.
Já o segundo é usado para uma construção inicial de ima ideia, em que já foram feitos muitos “rabiscos” (sketches) pelo designer. Quando o “rabisco” fica pronto, ele pode ser moldado no Premiere antes de se levar o storyboard para o After Effects e, a partir desse momento, faz-se o processo de movimento acontecer, momento da animação ganhar “vida”.

   Perfil Profissional

O profissional de Motion Design precisa conhecer:

  • as ferramentas de criação e edição;
  • tendências no mundo da arte, estudar muito;
  • o estudo aprofundado de fontes (tipografia, lettering);
  • cores;
  • percepção visual;
  • persistência da visão;
  • constante aprendizado.

Na era digital que está sendo cada vez mais implementada na sociedade atual, o Motion Designer tem que ser atraído pela criatividade, ser ousado com coisas diferentes- afinal, escritórios de Design, Publicidade, estúdios e Marketing, estão em constante disputa pela criatividade e diferencial.
Gostou do post? deixe seu comentário nos contando se você já tinha ouvido falar de Motion Design ou caso tenha ficado alguma dúvida sobre o assunto!

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!