O fim do Internet Explorer e início de uma nova era para a Microsoft

O fim do Internet Explorer, lançado em 1995, e que foi o navegador mais popular da internet por cerca de 10 anos, e a nova era para a Microsoft.

Autor: Luana Isabelle Carvalho

No universo da tecnologia tudo está propenso a sofrer upgrades, alterações e até de se tornar inutilizável de acordo com os avanços e passar do tempo. Isso acontece com os aparelhos eletrônicos, softwares, hardwares e mesmo com browsers, como é o caso do Internet Explorer, que teve 20 anos de vida útil. Nesta terça-feira, 17 de março, o diretor de marketing da Microsoft, Chris Capossela, anunciou oficialmente o fim do navegador que, lançado em 1995, foi o mais popular da internet por cerca de 10 anos.

Com a chegada do novo sistema operacional Windows 10 ao mercado, o principal navegador da empresa será substituído pelo provisoriamente chamado Spartan. A principal razão da mudança é a estratégia de marca de renovar a imagem de seu serviço de navegação, pois apesar de ter passado por diversas atualizações, o Internet Explorer ainda carrega o estigma de falhas e lentidão como característica.

Esses problemas fizeram com que o usuário comum ignorasse o IE na definição de navegador principal, escolhendo seus principais concorrentes. Hoje, o Chrome é o navegador mais usado no mundo, o Internet Explorer, o segundo, seguido de perto pelo Firefox Mozilla.

O fim do Internet Explorer e a chegada do Spartan

Após o fim do Internet Explorer, o Spartan será o substituto

O sucessor do Internet Explorer vem com um design mais limpo, barras laterais, facilidade de compartilhamento e navegação mais intuitiva. Apesar de não se diferenciar tanto em questão de estrutura, o browser funciona de forma integrada com o assistente virtual Cortana, assim como os demais ambientes do Windows 10. O Project Spartan é um nome temporário para o novo navegador e a Microsoft vem testando diversos nomes com fundamento em pesquisas de mercado.

Apesar do anúncio do fim, o Internet Explorer ainda estará presente em algumas versões específicas do Windows 10, devido à sua compatibilidade técnica com alguns sites e softwares antigos, o que com o tempo tende a ser substituído completamente com as novas versões do sistema.

1 Comentário

  1. Michael disse:

    Até que enfim a Microsoft tomou vergonha na cara e entrou em projeto de um novo navegador.

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!