Ensino híbrido: o que é e como funciona na prática?

Crescer no mercado de trabalho é algo muito importante e essencial para manter o desenvolvimento de carreira de forma interessante. E, para alcançar esse (...)

Autor: Rogério Ramalho

Crescer no mercado de trabalho é algo muito importante e essencial para manter o desenvolvimento de carreira de forma interessante e dinâmica. E, para alcançar esse objetivo, é fundamental jamais parar de estudar e procurar se atualizar com frequência. No entanto, como conseguir conciliar isso com o dia a dia corrido nas empresas? A resposta é: com o ensino híbrido.
Sim! Esse tipo de ensino visa proporcionar maneiras diferentes de aprendizado, mas sempre com um viés tecnológico e usando vários tipos de ferramentas. Outra vantagem muito boa é que se você estiver atuando no mercado de trabalho, poderá fazer muitas das aulas quando quiser e puder, adequando sua rotina às suas necessidades — algo que conta bastante.
Agora, para que você entenda melhor o que é, de fato, o ensino híbrido, reunimos as informações mais importantes sobre essa prática. Boa leitura e bons estudos!

O que é o ensino híbrido?

Até agora você notou que o ensino híbrido usa tecnologia, certo? Mas o conceito dessa estratégia de aprendizagem vai além, com duas maneiras diferentes de ensino: online e offline. Quando falamos em híbrido, no caso da educação, significa um aprendizado feito 50% presencialmente, como em uma sala de aula, e 50% virtualmente, em um computador, por exemplo.
Então, vale reforçar que, para quem tem uma vida corrida — como acontece com a maioria dos profissionais atualmente —, contar com o ensino híbrido é, sem dúvidas, uma ajuda importante para se manter atualizado e com um bom currículo. Afinal, o ensino à distância tem várias vantagens e uma delas é dar a liberdade que você merece para estudar quando for melhor.
Vale dizer ainda que o ensino híbrido é uma das maiores tendências em educação para os próximos anos, já que une as facilidades das plataformas virtuais com o conhecimento dos professores em salas de aulas. O objetivo principal desse tipo de ensino é contribuir de forma positiva para o aprendizado dos alunos, bem como contribuir para a familiaridade com a tecnologia.
Além disso, ter a opção de estudar tanto por meio de dispositivos como tablets, computadores e smartphones e, ao mesmo tempo, de poder ir até a faculdade para conversar pessoalmente com o educador é algo que incentiva os estudos. Por isso, o ensino híbrido une o que há de melhor nos dois universos: docentes preparados e plataformas com ótima experiência educacional.

 

Como surgiu o ensino híbrido?

Até alguns anos atrás, a formação em um ensino superior geralmente tinha como base ir até a faculdade, acompanhar todas as aulas de forma presencial, contar com materiais de suporte em papel (como as bibliotecas) e ter sempre a obrigatoriedade de cumprir uma carga horária com datas e horas marcadas, diariamente ou quase todos os dias. Esse é o que chamamos de ensino tradicional.
No entanto, com o passar dos anos e com a crescente oferta de tecnologia para todos os segmentos, a educação também começou a passar por uma transformação — que veio para melhorar bastante o aprendizado e potencializar a forma como se ensina. Hoje, as faculdades contam com modernas plataformas de ensino e disponibilizam conteúdos online.
Se antes era imprescindível acompanhar uma aula presencial, agora é possível fazer isso de forma parcial, ou seja, uma parte na instituição e outra em qualquer lugar que você estiver, contanto que tenha internet e um aparelho com acesso à rede. Por esse motivo, o ensino híbrido foi ganhando força dentro das universidades e há quem diga que a tendência é migrar todas as formações para esse método.
O ensino híbrido vem para preencher uma lacuna importante que nunca havia sido preenchida antes: a facilidade de encontrar materiais didáticos, explicações e fontes de pesquisa, como uma rica e praticamente inesgotável biblioteca virtual à disposição dos alunos.
E tem mais: os professores que contam com esse tipo de estratégia educacional também são beneficiados em termos de organização e tempo. Para se ter uma ideia disso, basta pensar que antes o docente era obrigado a estar na faculdade para ministrar as aulas e, muitas vezes, exercer outras responsabilidades que exigiam a presença no local. Hoje, no entanto, essa realidade é totalmente diferente.
Agora, o professor fica à frente de algumas aulas, como no método tradicional de ensino, mas pode oferecer metade dos outros encontros via internet. O lançamento de notas, atualização de conteúdos e referências, bem como tirar dúvidas dos alunos, dar e receber sugestões, são funções que podem ser realizadas remotamente, a qualquer hora do dia e da semana.
Resumindo: o ensino híbrido surgiu para ajudar quem quer estudar, mas não tem tanto tempo para se deslocar entre o trabalho e a faculdade, além de manter ou até melhorar a qualidade dos assuntos ministrados, contando com um vasto suporte de materiais para o estudo. É uma aplicação perfeita da tecnologia no cotidiano educacional — valendo também para escolas de ensino básico.

Como aplicar a metodologia?

Existem algumas formas interessantes de aplicar o ensino híbrido, que pode ser útil tanto no contexto universitário como em escolas, com crianças e adolescentes. Nesse sentido, é importante ressaltar a flexibilidade dessa metodologia de ensino, uma vez que, com as ferramentas adequadas e ideias criativas, o aprendizado pode ser mais rápido e repleto de informações.
Confira a seguir algumas sugestões de como o ensino híbrido pode ser aplicado.

Rotação por estações

Esse modelo tem uma ideia inspirada na pedagogia voltada às escolas, mas muito bem aplicada às universidades. O conceito é dividir o espaço da sala de aula no formato de estações de trabalho, designando a cada um os seus objetivos específicos, mas conectando todos ao objetivo da aula, o ponto central daquele momento.
Como a rotação por estações é um modelo de ensino híbrido, a ideia é que, pelo menos, uma dessas estações tenha como base o trabalho online, ou seja, alguma atividade que requeira acesso à internet pelos alunos. O ideal é que a conexão seja de banda larga e sem bloqueios para páginas de outros países e instituições. Para ampliar as possibilidades, o acesso deve ser livre.
A rotação funciona da seguinte maneira: depois de um determinado tempo, que será estabelecido previamente, os alunos devem mudar de estação, de modo que todos passem por cada uma delas até o final da aula.
No entanto, existe algo muito importante para que essa metodologia dê certo: as estações não podem ser dependentes umas das outras, pois, assim, se perde a mobilidade e o objetivo do aprendizado. Então, para que as estações funcionem bem, o recomendado é determinar as atividades de cada uma com começo, meio e fim, e que sejam, obviamente, concluídas no tempo determinado.
Outro ponto interessante dessa dinâmica é que o docente pode criar quantas estações julgar necessárias. O importante é que haja tempo suficiente para que os estudantes consigam realizar as atividades e alcancem o objetivo da proposta.

Laboratório rotacional

No ensino híbrido com a metodologia de laboratório rotacional, a ideia é, basicamente, dividir os estudantes em dois espaços de trabalho, sendo que um deles deve ser necessariamente reservado para o uso do computador ou outro dispositivo com acesso à internet.
Já o outro espaço pode ser definido pelo professor, com a regra de que seja dentro da sala de aula. A sala de aula, nesse contexto, deve ser entendida como qualquer espaço físico fechado, ou seja, pode ser em um laboratório, uma sala de estudos, entre outros. No caso de quem está cursando uma pós-graduação em TI, por exemplo, esse espaço poderia ser um laboratório de cálculos.
Assim como no modelo anterior, o de rotação por estações, nesse modelo também há um tempo fixo a ser seguido em cada estação. Logo após o período ser finalizado, os alunos devem trocar o espaço em que estavam e começar a outra atividade proposta. Também há outra semelhança: os espaços devem ser independentes. Caso contrário, os alunos terão dificuldades nas atividades.

Rotação individual

A metodologia de rotação individual é muito parecida com o modelo de rotação por estações. A grande diferença fica por conta de roteiros individualizados para cada aluno. Tudo deve ser elaborado pelos professores e, nesse momento, é muito importante respeitar as individualidades de cada um dos estudantes, levando em conta suas dificuldades e facilidades.
Não há necessidade de cada aluno passar por todas as estações criadas, mas sim por aquelas que mais fazem sentido para o seu aprendizado, considerando sempre o tipo de conteúdo reservado para o espaço específico, quais são os seus desafios e como é possível aprender mais e melhor.

Sala de aula invertida

Eis aqui uma das metodologias que mais estão sendo utilizadas na educação pelo mundo todo: a sala de aula invertida. Ela é dividida em três fases diferentes:

  • primeira: inicialmente, o aluno deve estudar o conteúdo que será ministrado na aula antes de ir até a faculdade. Isso o ajuda a estar preparado para quaisquer atividades que venham a acontecer durante o encontro com o professor. O estudo pode ser feito com base tanto nas referências pesquisadas pelos próprios alunos, quanto nas que foram selecionadas previamente pelo professor;
  • segunda: em seguida, chega o momento da sala de aula, no qual os estudantes colocam em prática o que já estudaram, com o intuito de construir o aprendizado em sua plenitude junto do professor. É uma forma excelente de transformar a aula em um momento mais propício para interações, com comunicações mais dinâmicas, interativas e com muita participação dos alunos;
  • terceira: por fim, após a aula, os alunos devem aprofundar o que foi estudado da maneira que preferir. É nesse momento que os estudantes complementam o que foi aprendido, procurando por outras referência que estejam relacionadas ao tema proposto.

Quais são as vantagens para o aprendizado?

Como você pôde ver, o ensino híbrido é uma das melhores formas de conseguir administrar os estudos. Mas será que existem outras vantagens para que esse método realmente valha a pena? Sim! Essa prática realmente é uma boa aposta para sua educação e uma ótima forma de investir no seu sucesso profissional.
Confira, a seguir, outros benefícios do ensino híbrido.

Facilidade em aprender

Se bem estruturadas e usadas de forma inteligente, as tecnologias educacionais podem fazer verdadeiras transformações na maneira como se aprende. E isso é refletido em uma facilidade maior para o entendimento de conteúdos, visto que a dinâmica com a qual são apresentados é interessante e cheia de recursos que estimulam a vontade de aprender.
Com diversas opções para o aprendizado, é possível escolher qual combina mais com você e melhor se encaixa na sua rotina, de acordo com suas prioridades e o tempo que tem disponível. Sendo assim, a cada novo assunto abordado, você terá uma gama de formatos para estudar, se aperfeiçoar e estender conhecimento. Com a facilidade de aprender, você verá como o conhecimento fica mais atrativo.

Melhor dedicação compartilhada

Não é porque o mundo está repleto de novas tecnologias que o formato de ensino tradicional precisa deixar de existir. Muito pelo contrário: o contato com o professor é algo pelo que muitos alunos prezam e se mostra necessário para a troca contínua de conhecimentos e experiências. O que acontece é que, no ensino híbrido, você terá uma dedicação compartilhada e equilibrada.
A partir do momento em que você monta a sua grade de horários, por exemplo, é preciso ter um jogo de cintura maior para se adaptar aos dois formatos de estudo. Em alguns momentos, estará no campo virtual, com linguagens, postura, flexibilidade e entendimento diferentes. Em outros, estará na sala de aula com o docente e os demais alunos, interagindo pessoalmente e direcionando sua atenção.
Compartilhar a sua dedicação em situações diferentes também é uma ótima forma de organização, perseverança, planejamento entre trabalho e faculdade e muito mais. Tudo isso exige de você um comprometimento que acaba deixando o aprendizado mais agradável.

Maior autonomia nos estudos

Foi-se o tempo em que você precisava de um direcionamento dos professores para ter hora e dia marcados para os estudos. Hoje, como profissional atuante no mercado, o que vale e conta para você é a sua própria autonomia e, se isso envolve educação, melhor ainda. Por isso, o ensino híbrido, mais uma vez, se mostra vantajoso para o seu aprendizado.
É bom lembrar que, como ele é feito por etapas e divisões, você terá total liberdade para executar a parte virtual quando se sentir melhor, com o tempo necessário para os estudos, além de ter a concentração que precisa para atingir o melhor nível de aprendizado.
Depois de desenvolver o seu cronograma de aulas e assuntos a estudar, ainda é possível contar com a orientação do professor em matérias sobre as quais você tem mais dificuldade. Ele poderá dizer a você, por exemplo, quanto tempo seria preciso para aprender o conteúdo com excelência — um ótimo suporte para o seu aperfeiçoamento, não é mesmo?

Apoio na construção de conhecimento

Tudo bem que a instituição é responsável por distribuir conteúdos de relevância, materiais para a sua formação, além de contar com um corpo docente capaz de atender às demandas modernas de educação. Entretanto, é válido dizer que em alguns modelos de ensino híbrido, como o da sala de aula invertida, a tendência é que você acumule muito conhecimento.
Além disso, a metodologia estimula você a desenvolver a capacidade de questionamento e de visão de problemas e soluções, o que é potencializado com a ajuda de plataformas tecnológicas e acesso ilimitado a conteúdos na internet.
Reflexo disso é que você passa a ter muito mais autonomia, uma vez que esse formato de ensino estimula o aprendizado por meio de estratégias pessoais e escolhas independentes. Com diversas tecnologias à sua disposição, será natural aprofundar suas pesquisas e saber de assuntos que realmente interessam a você. O resultado de todo esse processo é um amplo conhecimento, bagagem intelectual aumentada e habilidades e competências novas para o mercado de trabalho.

Ampla conexão entre colegas

Se você quer usar o melhor que a sua graduação tem a oferecer, saiba que um dos objetivos dessa experiência é formar uma boa rede de contatos — o famoso networking. O que isso tem a ver com as vantagens para o aprendizado? Tudo. Muitas vezes, uma troca de informações com outras pessoas pode ajudar a entender melhor determinado assunto e proporcionar diversas outras coisas.
No ensino híbrido, por exemplo, não é somente na sala de aula que você trocará ideias e conhecimento com os outros alunos. O ambiente virtual é uma ótima extensão para que isso vá ainda mais adiante. Será possível criar alguns grupos de estudo, fóruns de discussão e até espaços reservados para que a sua turma converse sobre os conteúdos abordados.
A conexão entre você e seus colegas será maior e, com os professores, isso também poderá acontecer. Tudo depende do seu grau de interatividade e interesse.

Melhor aproveitamento das aulas

Sono, cansaço, desatenção, desinteresse? Todas essas sensações ficarão para trás com o ensino híbrido. Um dos objetivos dessa metodologia é que o processo seja leve e livre do sentimento de obrigatoriedade — você aprende porque quer, porque sabe que é importante e porque tem um objetivo. Cada momento, seja ele em sala de aula ou em frente ao computador, será encarado com muito mais prazer e interesse.
Desse modo, o aproveitamento das aulas é muito maior, pois você tem mais disposição para aprender e tem como suporte o conteúdo que já estudou previamente. Sem contar que, nas aulas em ambiente virtual, você tem a facilidade de contar com milhares de sites para realizar pesquisas sempre que quiser e precisar.

O ensino híbrido focado em treinamentos corporativos

Voltando as atenções para o universo corporativo, há algumas questões a serem pontuadas. Nesse contexto, a palavra de ordem é aplicar diferentes formatos de treinamento, potencializando os benefícios para todos os colaboradores.
Assim como em uma pós-graduação, o ensino híbrido no ambiente empresarial tem como foco oferecer atualizações e novos conhecimentos para os profissionais. A diferença fica por conta do local em que são ministradas as aulas.
Se antes a sala de aula era o espaço em foco, agora isso ocorre dentro da empresa, com a participação de outros colaboradores e com conteúdos mais voltados para as situações do dia a dia da companhia — o que não deixa de ser uma forma de aprender, embora elaborada em outros moldes.
Quer uma dica? Se no local onde você trabalha esse tipo de treinamento ainda não existe, que tal levar a ideia para os gestores? Tente mostrar como funciona na prática, dando exemplos da sua graduação, de como o aprendizado tem sido mais interessante com o uso dessa metodologia, entre outros. A tendência é que a sugestão seja bem aceita, sabia?
Você também pode falar sobre o conceito de smart class, um formato que tem ganhado destaque entre as empresas, além de oferecer novas oportunidades para profissionais de TI.
E, claro, pode usar como argumento algo que sempre chama a atenção das companhias: o baixo custo da educação corporativa. Isso porque é notável que as empresas querem que seus profissionais estejam sempre atualizados e com o máximo possível de conhecimento sobre o que fazem, mas, muitas vezes, o que as impedem são os altos custos da educação.
Com o ensino híbrido isso será possível e, provavelmente, seu chefe vai gostar tanto da ideia que vai aplicá-la em várias oportunidades.

Pontos finais

Depois de todas as informações que listamos para você neste material, ficou claro como o ensino híbrido funciona, não é!? A prática dessa metodologia de ensino agrega muitos conhecimentos, habilidades, interatividade, dinâmica, interesse e facilidades de aprendizado em diversas situações da sua carreira profissional.
Lembre-se de que, ao escolher fazer uma pós-graduação ou MBA, por exemplo, é essencial checar se a instituição oferece esse modelo de ensino. Afinal, hoje em dia é preciso ter tempo para se manter no mercado de trabalho, administrando o dia a dia corrido e cheio de afazeres com os estudos. No mais, aposte no ensino híbrido como uma ótima maneira de estudar e ser melhor no que você faz!
Gostou do texto? Então, aproveite e compartilhe este conteúdo nas suas redes sociais. Assim, você contribui para que seus amigos também tenham vontade de aprender!


Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!