Conheça tudo sobre área de Linguística Computacional!

Dentro da Linguística Computacional existe envolvimento da Linguística, IA (Inteligência Artificial) e Informática, utilizando processos computacionais (...)

Autor: Gabriella Uota

Estudar a linguagem humana não é uma tarefa simples, mas é muito importante. Essa complexidade é resultado de diferentes abordagens que temos na linguística.
É possível explicar fatos da língua olhando para o indivíduo, para a sociedade, para a relação entre eles, entre outras visões. Ao unir essas abordagens com a tecnologia, temos um importante campo de atuação: a linguística computacional.
Todas essas relações têm objetivos, sucessos, razões e, também, problemas próprios. Nesse sentido, cabe ao linguista computacional fazer a ponte entre o processamento de linguagem natural com inovações tecnológicas.
É necessário entender como funciona a língua e saber trabalhar com a grande quantidade de dados disponíveis, associados ao processamento cada vez mais poderoso e barato.
Pensando nisso, preparamos este artigo para você entender mais sobre a linguística computacional e saber como começar a estudar sobre a área. Boa leitura!

   O que é a linguística computacional?

A linguística computacional é uma área multidisciplinar que envolve linguística, inteligência artificial e informática, utilizando processos computacionais para o controle da linguagem humana. O objetivo é desenvolver, por meio de uma modelagem lógico-formal, sistemas com capacidade de produzir e reconhecer informações apresentadas pela linguagem natural.
A área teve início na década de 1950, especialmente graças aos Estados Unidos, que usavam computadores para traduzir de maneira automática e rápida documentos escritos em outras línguas. Mesmo que as traduções ainda não fossem perfeitas, tornou-se possível alcançar uma qualidade bastante razoável.
Isso mostra a consolidação desse campo de pesquisa, que se dedica ao desenvolvimento de algoritmos, métodos e softwares que dão condições aos computadores lidarem com uma língua natural de forma sensata e útil às nossas necessidades.
Além das aplicações tradutológicas, temos também síntese de voz, reconhecimento de fala, sistemas de busca, extração de informações em textos, corretores automáticos, processadores de textos e sumarização automática. Isso significa que a aplicabilidade é grande e cresce a cada dia.
Inicialmente, a linguística computacional exige a familiaridade com conceitos da matemática e da lógica. Depois, é importante dominar elementos básicos de linguagens de programação, como Python, com ênfase na biblioteca Natural Language Toolkit (NLTK). 
Essa é uma ferramenta muito poderosa de trabalho. Além de poupar tempo, ela torna tarefas complexas muito mais seguras, pois neutraliza os erros humanos. É por esse motivo que cada vez mais pessoas de diferentes áreas se voltam para a linguagem como objeto de estudo.
Além disso, é importante destacar que as empresas já perceberam a importância desse mercado e estão destinando recursos no cenário científico, ampliando o leque de oportunidades para quem se capacita.

   Quem são os linguistas computacionais?

Os linguistas computacionais são capazes de desenvolver, por meio de modelos estatísticos ou lógico-formais de línguas naturais, ferramentas que reconhecem e produzem informações apresentadas em linguagem natural.
Esses profissionais, muitas vezes, atuam como membros de equipes multidisciplinares, incluindo cientistas da computação, linguistas, especialistas em inteligência artificial, lógicos, filósofos, matemáticos, cientistas cognitivos, antropólogos, psicolinguistas, psicólogos cognitivos, neurocientistas, entre outros.
Entre as principais competências do linguista computacional estão:

  • criar ferramentas que auxiliam na produção e escrita de um texto, como corretores gramaticais e ortográficos, dicionários eletrônicos e de sinônimos, analisadores sintáticos e morfológicos, sistemas especializados na composição de cartas comerciais, entre outros;
  • desenvolver ferramentas que auxiliam na leitura e no folheamento de páginas eletrônicas, como sistemas que leem e-mails, dispositivos de procura em base de dados especializados e recursos de busca em material falado utilizando técnicas de reconhecimento de voz;
  • simplificar a tradução automática entre diferentes línguas;
  • desenvolver modelos com interface de voz capazes de questionar o computador por meio de técnicas de reconhecimento de fala para obter respostas – aplicáveis em sistemas inteligentes para a casa ou o carro e em jogos lúdicos e didáticos;
  • facilitar tarefas diárias, como compras em e-commerce;
  • criar ferramentas computacionais que facilitem e estimulem o processo de ensino-aprendizagem em geral – ciências, matemática, geografia etc. – e, em particular, o ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras e maternas, como jogos interativos e didáticos e programas que ajudam a aperfeiçoar a pronúncia;
  • permitir o acesso de pessoas com deficiências articulatórias ou visuais à sociedade de informação, por meio de programas de reconhecimento e síntese que os ajudem a realizar tarefas de leitura e escrita;
  • indexar bases de dados utilizadas em bibliotecas digitais e coleções de materiais diversos;
  • promover a segurança do usuário, com base em características individuais da voz e que apenas reajam às suas ordens.

   Como começar a estudar linguística computacional?

Existem muitos caminhos para quem deseja aprender sobre linguística computacional. A primeira dica é buscar parcerias com outras pessoas que desejam estudar. Por ser uma área que une diversos campos de estudo, seu aprendizado vai ser muito mais proveitoso se compartilhado com profissionais que têm seus próprios conhecimentos, experiências e visões.
Nesse sentido, a internet, as redes sociais e os fóruns são excelentes ferramentas. Elas facilitam o encontro de materiais, cursos e pessoas que estudam a área. Em um primeiro momento, você pode buscar por livros que falem um pouco sobre linguagem, computação, estatística e linguística computacional.
Uma boa opção é ler o livro “Para conhecer linguística computacional”, de Marcelo Ferreira e Marcos Lopes. A obra é voltada especialmente para estudantes e traz boas introduções sobre o assunto. A linguagem é clara e acessível e conta com exercícios práticos.
O livro introdutório apresenta alguns conceitos e fundamentos práticos das tarefas ligadas ao universo da linguística computacional, unindo elementos de programação, aprendizado de máquina e modelos computacionais.
Quem já é graduado em linguística tem um conhecimento maior sobre análise e descrição das línguas. Esse profissional estuda, por exemplo, o discurso, a fonética e a aquisição da linguagem. Nesses casos, é interessante investir em uma pós-graduação em áreas da Inteligência Artificial e da Computação.
A linguística computacional é uma área que se relaciona com a modelagem da língua e, a partir desses modelos, desenvolver tecnologias e aplicações. Entre as soluções, estão a correção automática de erros de digitação, a tradução instantânea e o reconhecimento e síntese de voz. As possibilidades são muitas, o que justifica o destaque o setor tem recebido nos últimos anos.
Gostou do assunto? Deixe seu comentário nos contando se você se interessou na área e pretende segui-la ou caso ainda tenha ficado alguma dúvida sobre o post!

Deixe o seu comentário!

Não perca nenhum post!