Guia de profissões: o que devo fazer ao sair do ensino médio?

Durante os últimos anos do ensino médio, os jovens começam a pensar mais seriamente no que farão após o término do colégio. Um dos caminhos naturalmente (...)

Autor: Rogério Ramalho

Durante os últimos anos do Ensino Médio, é comum que os jovens já comecem a pensar de forma mais séria em qual trajetória vão seguir após o término dessa etapa de suas vidas. Um dos caminhos naturalmente seguidos é, sem dúvidas, o da faculdade para, em seguida, apostar em uma carreira. Como esse é um momento muito importante, torna-se essencial contar com um guia de profissões para se inspirar, pensar e decidir.
É bom lembrar que existem muitas possibilidades de atuação, além de profissões para todos os gostos e habilidades. Como estudante, é possível explorar diversas opções nas áreas de Comunicação, Exatas, Química, Engenharia, Tecnologia da Informação e muito mais, como editor de vídeos ou especialista em telecomunicações.
De toda forma, para começar a trilhar um futuro de sucesso, contar com o diploma de faculdade é fundamental! Então, pensando em ajudar você a decidir qual carreira seguir depois do Ensino Médio, vamos apresentar a partir de agora um guia de profissões com as informações mais importantes sobre o assunto! Continue a leitura e confira!

Terminei o Ensino Médio. E agora?

O primeiro passo já foi dado. A partir de então, é preciso é ter calma. Isso porque muitos jovens, ao terminar o Ensino Médio, passam por uma pressão que, muitas vezes, vem da própria família — além da autocobrança, que pode agravar a situação.
Nesse cenário, o ideal é que você tire um tempo para refletir por, pelo menos, alguns meses antes de terminar o Ensino Médio, para decidir por qual caminho seguir. Afinal, é preciso muita reflexão para escolher um curso interessante para o seu perfil e qual carreira se encaixa melhor em seus objetivos. Em geral, é tudo uma questão de empregabilidade.

Comece a pensar na empregabilidade

Outra informação que você deve considerar nesse momento é a importância do curso superior para a empregabilidade. Ou seja, com uma profissão determinada e habilidades desenvolvidas, será natural que você tenha melhores oportunidades no mercado de trabalho, além de ser visto como alguém capaz de exercer todas as funções que serão propostas.
Isso é, inclusive, algo importantíssimo a ter em mente. Afinal, não basta apenas ter força de vontade e disponibilidade para se entregar a um trabalho. É preciso que você tenha as qualidades suficientes para executar tarefas que fazem parte da profissão e, melhor, que trarão reconhecimentos essenciais para a sua carreira ao longo do tempo.
Por isso, ao terminar o Ensino Médio, a melhor opção é ir fundo em um curso de graduação — que também pode ser técnico — para que você adquira essas competências necessárias para a sua área de atuação e que as empresas mais exigem dos profissionais.
Sem contar que, no decorrer da construção da sua carreira, outras habilidades surgirão, como consequência das experiências que você vai acumular com o tempo.
Por outro lado, se você acabou o último semestre do colégio e ainda não tem ideia do que pretende fazer, não há motivos para estresse ou desespero. Cada um tem seu próprio tempo e, às vezes, é preciso um período maior para análise das possibilidades. A única coisa que você não pode deixar para trás é o desejo de continuar os estudos. Para ajudar nesse caminho, algo essencial é o autoconhecimento. É sobre isso que falaremos a seguir.

Por que o autoconhecimento é importante?

É por meio do autoconhecimento que a decisão de seguir uma carreira ocorrerá de um jeito mais tranquilo e natural. Um guia de profissões, como este que preparamos para você, será um apoio importante para que você tome a decisão mais acertada.
Mas saiba que nenhum material deve ser a sua base principal para determinar o que, de fato, será o melhor para o futuro profissional. Você deve ter em mente o poder do autoconhecimento.
Para entender por que o autoconhecimento é importante e se faz obrigatório, o recomendado é que você saiba o que isso significa. O autoconhecimento é, na verdade, uma prática que tem como finalidade a descoberta e o conhecimento do que você mais gosta, do que se identifica, do que sabe que é capaz de fazer ou desenvolver e por aí vai.
Além disso, é uma importante ferramenta para o desenvolvimento de seus potenciais em todas as frentes, seja na escola, na faculdade, no trabalho, na construção de uma carreira sólida e tantas outras ações que farão parte da sua vida.

Descubra qual lugar você deseja ocupar na sociedade

O autoconhecimento nada mais é do que ter certeza de quem você é e qual lugar deseja ocupar na sociedade. Por essa razão, é fundamental contar com essa análise.
O uso dessa sabedoria, combinado a um guia de profissões, será o ideal para apontar o caminho a seguir e se destacar no mercado de trabalho. Lembre-se também de que um bom perfil profissional tem entre as características principais saber como se autodesenvolver.
E tem mais, viu? Um dos poderes, digamos assim, que o autoconhecimento traz é a confiança que um profissional tem no seu trabalho. Tudo porque ele sabe exatamente como pode chegar até os melhores resultados, com base nas suas habilidades e podendo ir além, demonstrando que ele não tem receio em enfrentar desafios e novidades.
Se você é confiante e desenvolveu as suas soft skills, farão parte da sua vida frases e pensamentos positivos como:

  • “eu sei que posso fazer isso pela minha empresa”;
  • “sou capaz de desenvolver ideias inovadoras para o meu trabalho”;
  • “eu me conheço o suficiente para saber que posso contribuir bastante para o crescimento da empresa”;
  • “sim, tenho todas as competências que esse emprego necessita, então, sou a pessoa ideal para a oportunidade”.

Em resumo: não há nada a perder quando alguém realmente tem um autoconhecimento desenvolvido e hábil para responder a qualquer questionamento sobre sua força de trabalho, determinação e foco no que deseja para si dentro de uma profissão, por exemplo. Afinal, o autoconhecimento serve para qualquer etapa da sua vida — pense nisso!

O que levar em consideração na hora de escolher uma profissão?

Chegamos a um ponto que merece ainda mais atenção dentro deste guia de profissões: o que levar em consideração para escolher a carreira ideal para você. É bom reforçar que são muitos os fatores que devem ser pesados e analisados, e que farão a total diferença na hora da decisão final.
Outro detalhe que é preciso ter em mente é a carreira em Y. Você já ouviu falar sobre isso? Imagine a seguinte situação: muitos profissionais, quando começam a sua jornada no mercado de trabalho, têm o desejo de crescer e chegar a cargos de liderança em geral, certo? No entanto, há muitas outras pessoas que não desejam isso para as suas carreiras.
Nesse caso, os profissionais preferem ter amplo domínio técnico e exercer um bom cargo, mas dentro desse perfil, e não no de liderar uma equipe, por exemplo. São os chamados “especialistas técnicos”: aqueles que têm enorme conhecimento sobre determinada área, que querem se manter dessa forma e, ao mesmo tempo, crescer na profissão.
Daí o surgimento da carreira em Y, na qual o profissional escolhe crescer e se desenvolver dentro da sua profissão, se tornar altamente qualificado para o que faz, mas sem necessariamente ter que assumir um posto de liderança.
Isso é, sem dúvidas, um dos pontos que você deve levar em consideração ao pensar no que deseja para o seu futuro: uma carreira com foco na liderança ou tendo como base a especialização técnica? No mais, existem outros fatores. Acompanhe!

Interesses pessoais

Já pensou em começar uma carreira e nem colocar seus interesses pessoais em primeiro lugar? Certamente não é nada simples. O melhor a se fazer em momentos decisivos como esses é saber exatamente quais são os seus interesses: será que eu quero fazer a diferença dentro de uma empresa? Quero trabalhar bastante para me consagrar em uma profissão? Ou quero apenas exercer meu papel dentro da companhia e executar as tarefas normalmente, sem grandes desafios?
Além desses questionamentos, é essencial que você pense no que deseja para si tanto em um futuro próximo quanto em um mais distante. Os seus interesses pessoais precisam estar de acordo com a sua profissão — caso contrário, você corre o risco de ficar insatisfeito logo após algumas semanas no emprego novo e ir levando a carreira apenas como obrigação.
Pense também no que significa para você a construção de um patrimônio profissional. Reflita se a carreira é encarada como algo natural da vida de qualquer pessoa ou se para você ela realmente fará parte de um todo, do desenvolvimento de quem você pretende ser.
Dizemos isso porque, muitas vezes, os interesses pessoais de um profissional se restringem a ir bem no trabalho, receber seu salário e viver tranquilamente com uma estabilidade na empresa em que atua. Mas, para outros, o anseio é de se destacar, fazer a diferença na vida da sociedade, trazer inovação no que faz e tantas outras atitudes que exigem maior dedicação.
Então, para começar, ponha isso na lista do que levar em consideração na hora de decidir qual caminho seguir, de forma que o guia de profissões possa ajudar você a descobrir os seus interesses pessoais.

Habilidades

Há muitos jovens que têm inúmeras habilidades, mas nem se dão conta disso. Uma das formas mais eficazes de se descobrir do que se é capaz de fazer é, mais uma vez, por meio do autoconhecimento. Nesse sentido, tenha em mente que as habilidades de alguém são um conjunto de fatores que incluem muitas experiências e conhecimento adquirido ao longo de uma jornada.
Sabe aquela aula de física que levou você a imaginar como seria trabalhar na indústria automotiva? Ou aquela aula no laboratório de informática que mexeu com a sua curiosidade em desenvolver um programa que pudesse ajudar a sua vida escolar e a de centenas de outros jovens? Pois é, algumas habilidades já começam a ser construídas em situações assim.
Outra dica é pensar se vale a pena apostar em uma carreira que não tem muito a ver com o que você se interessa e tem facilidade em trabalhar. Por exemplo: você pensa em fazer Medicina, uma carreira que requer muito conhecimento em biologia, fórmulas, entre outras coisas além de estar preparado para lidar cara a cara com o corpo humano, enquanto, na verdade, você se dá bem mesmo é com números!
Será que vale a pena? Nada melhor do que usar as habilidades que você já tem para serem desenvolvidas e potencializadas para uma carreira de sucesso, não acha? Nessa hora, é bom consultar o guia de profissões para ter aquela “luz” que se perdeu em meio a tantas escolhas profissionais.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho deve ser colocado como um dos pontos principais na sua decisão profissional. Não se esqueça de que é fundamental checar como andam as vagas e oportunidades para algumas das suas possibilidades de carreira. Com a ajuda do guia de profissões, você pode ir conferindo um por um.
Aqui vale um comentário interessante: existem áreas que são forte tendência para os próximos anos, como a de TI, e que podem ser um indicativo importante para a sua decisão. O mercado de trabalho muda constantemente, se movimentando à medida que novas necessidades surgem e a mão de obra é exigida.
Uma dica é conversar com alguns profissionais que estão no mercado — pode ser seus pais, familiares em geral, amigos e professores. Essas pessoas serão ideais para dar a você uma noção de como as áreas são diferentes e como andam as oportunidades, se o mercado está aquecido, se a profissão está caindo em desuso, se há muita procura etc.
Lembre-se de que escolher uma profissão que demanda pessoas qualificadas é uma ótima escolha. Não pense somente no retorno financeiro e nas oportunidades “fáceis de encontrar”, mas sim se aquilo também faz parte dos seus interesses. Não é porque a Engenharia está em alta, por exemplo, que você tem que ser engenheiro.
Se você gosta de games, que tal investir em uma graduação com esse viés, como a de Jogos Digitais? Diversas opções em nível de tecnólogo já estão mostrando que são uma forte tendência daqui para a frente no mercado — e, ao mesmo tempo, reforçam que nem sempre você precisa seguir as profissões tradicionais, já que, hoje em dia, há espaço para coisas diferentes e atuações inovadoras!

Quais são as profissões que estão em alta?

Com tantas informações em mente, acreditamos que você já está pensando em qual profissão combina mais com seu perfil, não é mesmo? Para ajudá-lo nessa importante missão de escolha, separamos algumas opções que podem ser bastante interessantes — principalmente levando em conta as demandas do mercado e as tendências para os próximos anos.
Confira, a seguir, sugestões e aproveite para tentar se imaginar em alguma delas. Vamos lá?

Designer de games

Não mencionamos a carreira em games à toa. Ela realmente fará parte de uma das maiores mudanças no mercado de trabalho e profissões para o futuro. E, quando falamos em games, isso não significa apenas desenvolver e criar jogos para consoles, por exemplo, mas sim uma série de outras habilidades que são usadas para a produção de filmes e propagandas.
Indo além, tem muita gente que já trabalha nessa área e não atua diretamente com games. São profissionais que fazem parte de empresas que consideram suas competências para pensar e desenvolver projetos que tenham mais dinâmica, sejam criativos e tenham uma história bem entrelaçada para o público que querem atingir.
Se você quer mesmo é trabalhar com games, vá com tudo e aposte nessa carreira. Só para se ter uma ideia, há alguns anos saiu uma pesquisa em que o Brasil se enquadrou como o 4º maior consumidor de games do mundo! Ou seja, há espaço para crescer ainda mais e oportunidades não faltam — o que falta mesmo é mão de obra especializada.
E os salários? Para quem está começando, o salário gira em torno de R$ 2.000, mas à medida em que você vai ganhando experiência, esse valor pode ultrapassar os R$ 4.000.

Engenheiro de dados

Com a grande demanda do mercado em entender melhor o comportamento do consumidor, os dados estão, mais do que nunca, em alta em todos os setores! Com eles, é possível enxergar tendências de consumo, acompanhar os clientes em várias etapas de compra, além de pensar mais à frente e propor novidades para grandes empresas.
Tudo isso é feito por uma equipe que traduz todos os dados produzidos por milhares de pessoas todos os dias. Com essas informações na tela do computador, é dada a largada na procura de soluções inovadoras que impactam de forma importante qualquer empresa nos dias atuais.
Para isso, o profissional precisa estar constantemente ligado às novas tecnologias, analisar dados, números, sistemas e estatísticas, entre outros, para enfim chegar a possibilidades do que pode ser feito para o crescimento da empresa.
Mais uma vez, o salário conta bastante, já que a demanda anda realmente alta. Um profissional pode ganhar entre R$9 mil e R$18 mil!

Desenvolvedor mobile

Os celulares nunca fizeram tão parte da vida das pessoas como nos dias atuais. E essa tendência não só já está firmada como tende a aumentar com o passar dos anos! Com isso, os profissionais que querem trabalhar com Análise e Desenvolvimento de Sistemas têm ótimos motivos para continuar a apostar e se desenvolver na carreira.
Os profissionais podem começar com um curso de Engenharia da Computação ou ingressar direto na área. Entre as tarefas necessárias e cotidianas dentro da profissão, estão: criar e reparar aplicativos para smartphones, dispositivos móveis em geral e melhoria nos sistemas dos aparelhos e programas mais modernos.
Fique de olho também nas possibilidades de cursos livres, que dão uma turbinada no currículo e, ao mesmo tempo, ajudam você no desenvolvimento de mais habilidades e competências nessa carreira — que é, sem dúvidas, bastante complexa e repleta de mudanças quase que o tempo todo.
Se tem curiosidade no salário, saiba que essa é outra carreira que garante um bom retorno financeiro: espere receber em média de R$10 mil a R$17 mil!

Web designer e designer digital

Até há poucos anos, o profissional de Web Design era visto como um dos mais importantes que estavam por vir, devido aos avanços que os computadores já mostravam. Mas será mesmo que esse profissional ainda continua em alta? A resposta é: com certeza! Dentro de muitos anos, ele continuará exercendo um papel muito importante na área.
Hoje em dia, as pessoas estão ainda mais conectadas e diariamente entram em sites de todos os tipos — página do banco, da faculdade em que estudam, de notícias, curiosidades, blogs, enfim, há uma infinidade de opções de leitura e navegação na rede. E quem cuida de todo esse aparato visual e digital é o web designer.
Outro profissional que ganhou espaço nos últimos anos e que anda lado a lado com o web designer é o designer digital! Nesse caso, o foco é mais voltado para a interatividade das pessoas com as páginas que mais acessam e em que procuram informações, realizam compras etc.
O Design Digital está bem em evidência justamente por causa de outra profissão tão interessante quanto ela: a de Marketing Digital. Juntas, essas duas carreiras estão fazendo muitas mudanças significativas na forma como o ser humano interage e consome conteúdos na rede, direto de seus aparelhos móveis ou dos tradicionais computadores de mesa.
salário também acompanha a tendência. Muitos profissionais ganham cerca de R$3 mil por mês — valor que aumenta conforme a experiência!

Editor de vídeos

O crescimento do consumo de vídeos na web aumentou 135%. Além disso, tanto o número de horas semanais assistindo TV quanto o volume de tempo assistindo vídeos na Internet também teve um significativo aumento. Essa é uma ótima notícia para quem pensa em trabalhar como editor de vídeos.
O campo abrange o profissional que trabalha com a edição de filmagens para a montagem e finalização tanto de comerciais quanto de produções para YouTube, videoaulas, além de documentários.
Para trabalhar como editor de vídeos, um pouco de criatividade é essencial. Mas existe outro fator que é um grande diferencial para o profissional: a capacidade de contar histórias por meio de imagens.
É o editor de vídeos que amarra essas imagens com a ajuda de recortes, trilhas sonoras e recursos de imagem para encantar o espectador.
Em média, o salário varia entre R$2 mil e R$3.500, podendo chegar à R$6 mil. É possível trabalhar na imprensa, em televisão, assim como em assessorias de imprensa, agências de marketing ou mesmo de maneira autônoma — principalmente quando há uma educação empreendedora.

Vale a pena fazer uma graduação?

Vale, e muito! Não só porque você terá um currículo mais interessante para mostrar às empresas, mas também porque suas habilidades e competências ganham destaque perante outros profissionais da área!
Por isso, pense seriamente em investir em uma graduação que tenha peso para o mercado de trabalho, mas que também tenha tudo a ver com os seus desejos profissionais. Lembre-se de que uma carreira demora anos para ser construída e quanto mais certeza você tiver do que quer fazer, melhor!
Não desanime se o seu curso for em uma faculdade particular e você não puder pagar. Existem muitas facilidades para isso, como bolsas e outros auxílios. Vale a pena checar se a faculdade de interesse tem essas opções e como você pode participar do processo para garantir uma forcinha extra nesse sentido. Com planejamento tudo é possível.
No mais, não hesite em fazer uma graduação. Essa será a porta para um futuro de sucesso e apenas o primeiro passo para estudos mais aprofundados — que jamais devem cessar, combinado?
Se você chegou até aqui, continue a leitura. Separamos algumas dicas incríveis para você seguir os estudos em uma área muito promissora: a da tecnologia.

Quais os benefícios de investir na área de tecnologia?

Sair do colégio e seguir um caminho de estudos focado na área de tecnologia é uma escolha muito interessante. O setor está aquecido e as possibilidades vem se multiplicando com todo o potencial da transformação digital.
Atuar com Tecnologia da Informação (TI) abrange muitas áreas. Entre elas, trabalhar como programador, como engenheiro de software, analista de dados, desenvolvedor web — alguns dos cargos que, como vimos, são bastante promissores.
O mais legal é que tecnologia é um campo que não só apresenta um amplo mercado de trabalho, mas também conta com profissionais cada vez mais valorizados — e disputados pelas empresas.
Também é interessante ter em mente que o profissional de TI não precisa atuar especificamente atrelado a uma empresa. A veia empreendedora na área é muito forte, principalmente pela demanda crescente para tais tipos de profissionais.
Para se ter uma ideia sobre o real panorama da área de tecnologia no Brasil, uma pesquisa recente aponta que o mercado tem um potencial de crescimento de 10% no ano de 2019. Com a Indústria 4.0 e todas outras mudanças que estão acontecendo no setor, é válido considerar a análise de dados e a automação como pilares para a contínua expansão da tecnologia como área profissional.
Então, se a área parece interessante para você, siga em frente! Mas lembre-se de que uma formação com base sólida, realizada em uma faculdade reconhecida, faz-se cada vez mais necessária.

Como escolher uma faculdade reconhecida na área de tecnologia?

O fato de a tecnologia ser uma área promissora não é suficiente para que você tenha sucesso profissional e fique feliz com a sua carreira. É importante também que você faça uma escolha muito acertada e invista em uma faculdade que tenha algumas características importantes.
Antes de bater o martelo e decidir onde você vai aprender sobre TI e suas vertentes, avalie as seguintes questões.

  • Como é a grade curricular da instituição?
  • Quais são os cursos oferecidos?
  • Trata-se de uma instituição sólida?
  • Os cursos estão alinhados às tendências de mercado?

São muitas perguntas, mas que abrangem a questão pedagógica, a estrutura e também os moldes de aprendizado. Veja outras dicas que podem servir como norte!

Avalie as possibilidades

Atualmente, existem cursos de curta duração que podem preparar você para entrar no mercado de trabalho, em um menor espaço de tempo. É o caso da modalidade técnica, que reúne professores com larga experiência de mercado com a base de conhecimento que é explorada em graduações.
Com alto potencial de empregabilidade, essa é até mesmo uma forma de você acelerar a sua entrada no mercado de trabalho. Mas coloque em mente que a ideia não é parar os estudos rapidamente. O legal é seguir aprendendo e se especializando para conquistar um lugar de ainda mais destaque como profissional.

Esteja conectado

Para quem deseja trabalhar com tecnologia, estar por dentro das tendências e das novidades é indispensável! Por isso, dê preferência a uma instituição que tenha parcerias com grandes empresas do mercado e que compartilhem de uma visão empreendedora — o que contribui bastante com o desenvolvimento do aluno.

Não poupe perguntas

Se está pensando em começar os estudos em uma faculdade ou mesmo um curso técnico, esclareça todas as suas dúvidas antes de fazer a escolha final. É assim que você vai conseguir avaliar qual é a abertura da instituição para apoiá-lo nos momentos necessários. Avalie todos os pontos com muito cuidado e curta o processo de decidir o que vai fazer quando sair da faculdade.
Neste guia de profissões, não há uma resposta pronta para que você decida qual carreira seguir. O segredo é ser muito curioso e apostar forte no autoconhecimento.
Como falamos no início, se conhecer e tentar entender quais os seus desejos e sonhos profissionais é um processo muito valioso. Mas faça uma combinação com o que é uma tendência de mercado, para que você saia da faculdade ou de um curso técnico com um bom potencial de empregabilidade.
Agora que você acompanhou este guia de profissões, já tem uma ideia melhor do que fazer após o Ensino Médio? Se precisar, consulte o material novamente, quantas vezes quiser, e fortaleça suas ideias para a escolha da carreira ideal!
Aproveite também para se preparar ainda mais para o seu futuro. Assine a nossa newsletter e confira dicas exclusivas para conquistar uma carreira incrível e repleta de realizações!
Tudo o que você precisa saber sobre escolher o curso superior ideal

2 Comentários

    Deixe o seu comentário!

    Não perca nenhum post!