Minha Conta
Recuperar Senha

Digite seu endereço de e-mail que foi cadastrado e enviaremos seus dados de acesso.

Minha Conta

A senha deve conter no mínimo 6 caracteres.

Ao se cadastrar, você concorda com a Política de Privacidade e Segurança

Mudar Data: Photoshop CS6 Módulo I
Preço
15/09 a 26/09 Manhã 4000,00
15/09 a 26/09 Manhã 4000,00
15/09 a 26/09 Manhã 4000,00
15/09 a 26/09 Manhã 4000,00
  Itens Preço
Carrinho de Compras
O carrinho está vazio.
INVESTIMENTO TOTAL:0,00

Esqueci minha senha

Foi enviado um e-mail para com os dados de acesso.

7 erros que um estudante não deve cometer no LinkedIn

É sempre bom quando a tecnologia permite que mais pessoas consigam encontrar oportunidades de trabalho. O LinkedIn pode parecer uma rede social mais séria e pouco atraente quando comparada com os mais populares Facebook e Twitter, mas ele possui uma função muito importante: a de conectar pessoas com interesses profissionais. De que forma isso é essencial para um estudante? Trata-se de uma maneira de começar a se destacar no mercado de trabalho.

No entanto, é preciso tomar cuidado. Qualquer erro no LinkedIn significa uma diminuição no número de oportunidades possíveis. Um empregador que abrir o seu perfil no site pode se interessar pelas suas capacidades e lhe oferecer uma oportunidade única de trabalho. Se ele encontrar algo de errado, isso pode impactar no seu sucesso.

Veja 7 erros que um estudante não deve cometer no LinkedIn:

Erros que você não deve cometer no LinkedIn

1. Sair adicionando todo mundo

O LinkedIn não é uma rede social para se colecionar amigos. Cada pessoa adicionada é uma conexão. Isso significa que vocês se conhecem ou já trabalharam juntos. Este tipo de vínculo é muito importante para um empregador determinar o quão bem conectado você é no mercado de trabalho. Se ele abrir o seu perfil e perceber um número muito alto de conexões, vai ficar muito claro que você não tem critério ao sair adicionando todos que vê. Somente crie vínculos no LinkedIn com pessoas que você realmente conhece.

2. Não preencher o perfil corretamente

O LinkedIn oferece diversos campos para serem preenchidos com informações importantes. Assim, é possível disponibilizar os seus dados de contato e todas as suas competências profissionais. Destaque os principais projetos que você desenvolveu enquanto estuda. Enumere em quais lugares já trabalhou, mesmo que tenha sido em curta temporada ou voluntário. Não deixe o seu perfil com detalhes faltando, pois isso transmite a ideia de falta de comprometimento.

3. Pedir recomendações a amigos

Ter recomendações profissionais no seu perfil no LinkedIn é muito importante e pode ser um diferencial para o seu ingresso no mercado de trabalho. Mas isso não significa que você pode buscá-las em qualquer lugar e, pior, pedir para amigos enviarem recomendações. Este tipo de manobra é muito manjado e os empregadores as conhecem de longe. Somente exiba informações reais em seu perfil. Procure recomendações de professores ou de ex-chefes.

4. Não checar o LinkedIn com regularidade

Quantas vezes você abre o Facebook por dia? Certamente é um número bem maior do que o da frequência que você acessa o LinkedIn. Além de ter o seu perfil preenchido da forma ideal e mantê-lo organizado, você precisa ter um acesso regular à rede social para administrar pedidos de conexão, interagir com publicações e encontrar novos contatos. Uma rede como o LinkedIn não serve apenas para se construir o perfil e deixá-lo abandonado. É preciso realizar uma manutenção frequente.

5. Ignorar a importância do trabalho voluntário

Cada vez menos jovens veem a importância de se dedicar a um trabalho voluntário, então isso se trata de uma ótima oportunidade para se destacar diante de possíveis empregadores. Este tipo de trabalho é uma forma excelente de adquirir experiência profissional antes de começar o Ensino Superior ou curso equivalente. Significa seguir para um estágio já possuindo plena experiência sobre o que é trabalhar. Isso precisa estar bem claro no seu perfil no LinkedIn, de forma que os empregadores possam saber que você tem este tipo de experiência profissional.

6. Não ter bem definidos seus objetivos

O mercado de trabalho procura pessoas que saibam muito bem o que querem. Não pense que você vai agradar um possível empregador enchendo o seu perfil no LinkedIn de capacidades muito variadas, sem área de atuação definida. Determine de que maneira você quer conduzir a sua vida corporativa no futuro e comece a traçar suas metas a médio e longo prazo. Deixe claro no seu perfil em qual área você quer trabalhar e qual é o seu estilo de trabalho.

7. Deixar para preencher tudo "depois"

Se você não teve disciplina para completar o seu perfil na hora que começou, não vai tê-la "depois". O programa serve para facilitar o contato entre profissionais e o mercado de trabalho, e para o estudante é uma oportunidade de ouro para já começar a se destacar neste meio. Para isso, é preciso comprometimento com os seus objetivos de trabalho desde cedo. O LinkedIn é uma excelente oportunidade, mas somente quando todo seu potencial é aproveitado.

Evitando estes pontos, você tem tudo para criar um perfil que lhe traga sucesso e destaque na rede social. O objetivo dele é atuar como um verdadeiro banco de dados de profissionais de diversas áreas, então é preciso se adequar a isso para obter sucesso no mercado de trabalho desta forma.

Já criou o seu perfil no LinkedIn? Tire as suas dúvidas sobre a rede social nos comentários.

Siga a página da Impacta no LinkedIn aqui e aumente suas conexões, além de acompanhar as maiores novidades em TI, Gestão e design.

[fbcomments url="" width="100%" count="off" num="3" countmsg="wonderful comments!"]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">

Artigos Relacionados